Programa para recolhimento de medicamentos vencidos está em fase de elaboração

Vereador Paulo Sestrem sugere que sejam criados pontos de coleta para destinação correta

Programa para recolhimento de medicamentos vencidos está em fase de elaboração

Vereador Paulo Sestrem sugere que sejam criados pontos de coleta para destinação correta

Com o intuito de conscientizar a população sobre a destinação apropriada de medicamentos com o prazo de validade expirado ou de sobras de substâncias farmacêuticas que não tenham pretensões de uso, o vereador Paulo Sestrem (PRP) sugeriu o projeto de lei que institui o Programa de Recolhimento de Medicamentos Vencidos.

O programa, que ainda está sendo debatido com órgãos públicos e empresas e pode sofrer alterações, consiste na implantação de campanhas educativas que instruam a comunidade sobre a entrega dos remédios em locais autorizados, para o descarte adequado.

O vereador embasa a sua sugestão em pesquisa realizada pelo Instituto de Pesquisas Sociais (IPS) do Centro Universitário de Brusque (Unifebe), com informações coletadas pelas agentes de saúde do município, que comprovam que a maior parte da população não sabe o que fazer com as sobras de medicamentos e remédios vencidos. Cerca de 400 pessoas foram entrevistadas.

Conforme a pesquisa, 99% das pessoas questionadas responderam que possuem medicamentos em casa, sendo que 58% possuem remédios vencidos e 77% têm sobras em casa. No entanto, o dado mais alarmante e um dos motivadores do projeto, é de que 88% dos entrevistados não sabem o que fazer com as sobras de medicamentos e remédios vencidos.

“A ideia consiste em criar pontos de coletas, que seriam farmácias, para que os brusquenses possam se desfazer destes medicamentos vencidos ou que não estão sendo utilizados”, explica o vereador, que destaca que é uma campanha contínua.

Sestrem afirma que com o programa, busca-se minimizar os impactos ao meio ambiente e trazer segurança à população que não mais armazenarão medicamentos de maneira errada. Ele diz que crianças e animais domésticos podem comer os remédios. Além disso, o depósito no vaso sanitário e no lixo comum traz danos ao lençol freático.

Ainda conforme o projeto, as substâncias farmacêuticas vencidas intactas, abertas ou as sobras destas deverão ser entregues nos pontos de coleta. Estes locais deverão conter identificação de adesão ao programa e manter o registro de controle das entradas e saídas dos produtos. A destinação do descarte deverá ocorrer pelo ponto de coleta junto às empresas especializadas.

Resultado da pesquisa
99% dos entrevistados possuem medicamentos em casa

88% dos entrevistados não sabem o que fazer com as sobras de medicamentos e remédios vencidos

58% possuem remédios vencidos em casa

77% possuem sobras de remédios em casa

54% descartam os remédios no lixo comum

4% descartam no lixo reciclável

30% descartam no vaso sanitário

12% utilizam ponto de coleta para destinação correta dos medicamentos

83% usariam um ponto de descarte correto

16% não usariam o descarte correto

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio