Página 3

Bastidores da política e do judiciário, opiniões e críticas sobre os acontecimentos da cidade e vigilância à aplicação do dinheiro dos impostos pagos pelo cidadão

Vereadora reconhece ter comércio sem alvará, e diz que isso é comum em Botuverá

  • Por Página 3
  • 6:30
  • Atualizado às 19:11
Página 3

Bastidores da política e do judiciário, opiniões e críticas sobre os acontecimentos da cidade e vigilância à aplicação do dinheiro dos impostos pagos pelo cidadão

Vereadora reconhece ter comércio sem alvará, e diz que isso é comum em Botuverá

  • Por Página 3
  • 6:30
  • Atualizado às 19:11
  • +A-A

Vereadora se defende
A vereadora botuveraense Margarete Leitis (PSD) defendeu-se, na sessão desta terça-feira, 18, da Câmara de Vereadores, das acusações de que estaria atuando na área de advocacia sem alvará de funcionamento. Na Câmara, a vereadora mostrou documento que apresentou como alvará do Corpo de Bombeiros. A vereadora disse ainda que foi iniciado um processo para obtenção do alvará de funcionamento, mas nunca concluído. “Tenho a humildade de dizer isso”, afirmou.

“Não sou a única”
Margarete, no entanto, afirma que não é a única nesta situação. Afirmou que há várias pessoas que não tem alvará, inclusive no alto escalão do governo municipal. “Tenho colegas que também não têm alvará, e nem por isso foi mencionado. Algumas pessoas em Botuverá trabalham de maneira não muito regular, porque existe um costume no município”. “Ninguém tem telhado de vidro aqui. Assumo aqui na frente de todo mundo, eu errei, mas a administração também errou”, afirmou, referindo-se à alegação de que a prefeitura permite diversos estabelecimentos sem alvará.

Reajuste no Cosip
Ainda durante a sessão desta terça-feira, 18, da Câmara de Botuverá, os vereadores analisaram e discutiram um projeto de lei, de autoria do prefeito José Luiz Colombi, o Nene, que estabelece o reajuste da Contribuição para Custeio do Serviço de Iluminação Pública (Cosip). A medida, segundo o governo, servirá para possibilitar o reequilíbrio das receitas e garantir a continuidade da prestação dos serviços de iluminação pública à população. O projeto teve forte rejeição da oposição, mas foi aprovado.


Separando o joio…
As investigações no Samae relativas à compra de blocos superfaturadas que foram arquivadas e que foram publicadas neste espaço na edição de ontem não são relativas à gestão atual da autarquia, pois foram instauradas no governo anterior.

…do trigo
O ex-diretor-presidente, Juliano Montibeller, afirma que em sua gestão nenhum processo foi instaurado, e que “deixa o Samae com ações importantes, como o aumento de 22% na captação de água, implantação do novo reservatório, troca da rede de amianto e implantação da rede de água na Bulcão Viana. Diz também que deixa também mais de R$ 15 milhões em caixa para investimentos na autarquia.


Não agradou ninguém
A determinação via ofício da Secretaria Estadual de Educação para que as aulas do ensino médio noturno comecem às 18h30 não agradou nem a base aliada do governador Raimundo Colombo. “Quem estuda à noite é porque precisa trabalhar durante o dia e mudança inviabiliza a continuidade do ensino médio noturno”, criticou Valdir Cobalchini (PMDB) durante a sessão de ontem da Assembleia Legislativa.

Apelos
A deputada Luciane Carminatti (PT) fez um apelo para que o Executivo envie ao Legislativo projeto de lei para regularizar a situação. Segundo o governo, o problema é a impossibilidade de pagamento de adicional noturno aos professores, daí o encerramento mais cedo das aulas. “Se não há previsão legal é porque o Executivo não enviou para a casa um projeto que corrija a distorção, se mandar amanhã, vamos agilizar e aprovar”, informou. Cobalchini concordou. “Se o problema é legal, então é de fácil solução”, afirmou. Em Brusque e região, no entanto, praticamente não haverá impacto. Isso porque apenas uma escola começava a aula depois das 18h30. Leia reportagem na página 14.


Concurso autorizado
O Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJ-SC) autorizou a abertura de concurso público para diversos cargos vagos do quadro de pessoal do poder Judiciário. Serão disponibilizadas vagas para os cargos de analista administrativo, analista jurídico, oficial de justiça e avaliador, oficial da infância e juventude, arquiteto, engenheiro eletricista, engenheiro civil, enfermeiro e técnico judiciário auxiliar. O concurso contemplará todas as regiões do estado e terá validade de um ano, prorrogável uma única vez por igual período. Ainda não há datas previstas para a publicação do edital e realização das provas.

Balanço de vendas
Segundo pesquisa feita pela Câmara dos Dirigentes (CDL) de Brusque, a maior parte dos comerciantes registrou um pequeno aumento de vendas no período da Páscoa em 2017, aumento este ligado, sobretudo, à fabricação de chocolates artesanais. Segundo a CDL, devido ao aumento do preço dos ovos, a procura por caixas de bombom e trufas teve aumento mais significativo, em comparação a 2016. Segundo Michel Belli, presidente da CDL, um produto com grande aceitação foi os ovos gourmet. Isso, para ele, “comprova que a criatividade é um ponto forte para alavancar vendas”.


Revisão do eleitorado
A Justiça Eleitoral iniciou nesta segunda-feira, 17, o procedimento de revisão de eleitorado para os municípios de Brusque, Guabiruba e Botuverá. A revisão irá abranger todos os eleitores que ainda não fizeram o recadastramento biométrico. Assim, todos os eleitores que realizaram o seu alistamento eleitoral, revisão ou transferência de domicílio eleitoral até 19 de fevereiro de 2016 deverão comparecer ao cartório Eleitoral, até 7 de dezembro de 2017, para realizar a revisão.

Cancelamento do título
O não comparecimento para revisão ou o comparecimento sem a apresentação da documentação necessária acarretará o cancelamento do título de eleitor. O Cartório Eleitoral está localizado na rua Humberto Mattiolli, 78, no Centro, próximo à Praça Sesquicentenário.

 

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio