É justo dizer que o ano de 2021 do Brusque foi muito diferente de 2019 e de 2020. Desta vez, o quadricolor deu uma pausa nos títulos, continuou se firmando como uma das principais forças do futebol catarinense e, embora tivesse deixado Copa do Brasil e Campeonato Catarinense de maneiras desapontadoras, cumpriu a principal missão da temporada: permaneceu na Série B do Campeonato Brasileiro em 2022.

A Geração de Ouro, com o estopim de 2019, contou com alguns remanescentes das grandes conquistas e, no caminho, outros personagens importantes foram se somando ao elenco. Em 2021, com uma projeção de imagem jamais vista na história do clube, o quadricolor levou ao Brasil histórias que vão do fantástico ao execrável.

Foi o ano no qual o torcedor se reencontrou com Júnior Pirambu. Depois do título da Série D de 2019, o centroavante voltou ao clube no qual foi mais feliz e foi importante em uma campanha no estadual que, apesar de ter um fim frustrante, foi um de seus melhores desempenhos. Na Copa do Brasil, o Brusque não conseguiu repetir a campanha histórica de 2020 e teve uma eliminação precoce.

Em uma história emocionante, Edu se recuperou de sua grave lesão para brilhar na Série B do Campeonato Brasileiro desde os primeiros minutos, com os dois gols sobre a Ponte Preta. Contra o Remo, em casa, chegou a defender pênalti. O Imperador teve função de embaixador, sempre lembrado pela mídia nacional e pelos torcedores de grandes times que precisam de um goleador como o camisa 9 do Marreco.

A Série B foi o ápice do Brusque até este momento de sua história, brigando entre grandes clubes do futebol brasileiro e até obtendo uma vitória sobre o Botafogo, que acabaria campeão. O quadricolor chegou até a liderar o campeonato no início. Foi um ano espetacular para muitos jogadores, difícil para outros, e também um ano que marcou o fim da era do técnico Jerson Testoni, recordista em jogos pelo Bruscão. E, depois de 37 jogos no Gigantinho, o torcedor pode voltar a ver o quadricolor de perto, sendo fundamental nas rodadas finais.

Em meio à maior mancha na história do clube, num episódio de injúria racial que tornou o Brusque um clube antipático e odiado por muitos, o time dentro de campo finalizou 2021 com sentimentos contrários. De maneira honrosa, fez boa campanha, finalizada a partir do retorno de Waguinho Dias.

Pelo terceiro ano seguido, O Município traz o Almanaque Bruscão, com números e mais números da temporada Brusque Futebol Clube. Jogos, gols e cartões dos atletas que estiveram no campo ou no banco de reservas. Ranking de artilharia, de assistências. De cartões. De partidas disputadas. As estatísticas dos técnicos. Os recordes da temporada. O gráfico do público presente, jogo a jogo.

Como nas edições anteriores, as fotos são do fotógrafo do clube, Lucas Gabriel Cardoso, e de Marcio Costódio, para O Município, e ajudam a recordar alguns dos principais momentos de 2021.


Foto de capa: Lucas Gabriel Cardoso/Brusque FC


• Quer receber notícias sobre o Brusque Futebol Clube e o esporte da região no seu WhatsAppClique aqui e entre no grupo do jornal!

Brusque

Deixe uma resposta