Conteúdo exclusivo para assinantes

Arrecadação com leilão da Buettner fica abaixo da expectativa

Valor será depositado na conta judicial para, depois, ser feito o pagamento dos ex-funcionários

Arrecadação com leilão da Buettner fica abaixo da expectativa

Valor será depositado na conta judicial para, depois, ser feito o pagamento dos ex-funcionários

O leilão dos bens móveis da Buettner frustrou a expectativa do Sindicato dos Trabalhadores Têxteis de Brusque (Sintrafite). De acordo com o presidente da entidade, Aníbal Boettger, a arrecadação de apenas R$ 142 mil foi bastante abaixo do esperado.

“Infelizmente, foi mais um leilão que nos frustrou. Pelo número de bens móveis, pouca coisa vendeu”, afirma o sindicalista.

Foram postos à venda vários maquinários antigos da indústria, dentre eles uma máquina rama com abridor avaliada em R$ 1,5 milhão, e sucatas. O valor total do que foi leiloado é avaliado em R$ 2,1 milhões, tirante as sucatas, que foram ofertadas por R$ 0,70 o quilo.

Segundo Boettger, os bens móveis não foram vendidos nem na primeira nem na segunda chamada. A partir daí, foi permitida a venda direta. Alguns itens mais baratos foram comprados, no total de R$ 142 mil.

Sucatas também foram vendidas, ao custo de R$ 0,70 por quilo. No entanto, ainda não se sabe quanto será arrecadado com isso porque a pesagem ainda não foi efetuada, segundo o presidente do Sintrafite.

O administrador da massa falida da Buettner, Gilson Sgrott, explica que os R$ 142 mil arrecadados com o leilão serão depositados na conta judicial. O recurso ficará lá até que haja uma determinação da juíza Clarice Ana Lanzarini para que o valor seja transferido para os trabalhadores ou credores.

O Sintrafite – que representa os trabalhadores no processo – tem a incumbência de solicitar o dinheiro para o pagamento dos ex-funcionários. Entretanto, o presidente diz que o valor é muito baixo e não vale a pena, por enquanto, fazer o pedido, pois a parcela para cada beneficiário seria muito pequena.

Boettger diz que o dinheiro será solicitado e pago, se a juíza da Vara Comercial de Brusque concordar, aos trabalhadores quando o valor for “significativo”.

Imóveis
A maior esperança de arrecadação para o pagamento dos trabalhadores e dos credores é o leilão dos imóveis da Buettner. São dezenas de matrículas de bens imóveis.

Segundo Sgrott, o trabalho de avaliação dos imóveis já foi iniciado. O presidente do Sintrafite diz que não deve demorar para que esse bens também vão a leilão.

Outra fonte de renda, que também está sendo depositada na conta judicial, é o aluguel pago pela empresa Copacabana para usar a estrutura da Buettner.

Conteúdo exclusivo para assinantes

Quero assinar com preço especial
[Acesse aqui]

Sou assinante

Sou assinante do impresso,
mas não tenho login
[Solicite sem custo adicional]

Tire suas dúvidas, em horário
comercial, pelo (47) 3351-1980

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio