Em São João Batista, associação é formalizada para resgatar história da imigração italiana

Bairro Colônia é sede de entidade que busca preservar a memória dos antepassados

Em São João Batista, associação é formalizada para resgatar história da imigração italiana

Bairro Colônia é sede de entidade que busca preservar a memória dos antepassados

As comemorações aos 150 anos de fundação da Colônia Imperial Dom Pedro seguiram ainda pelo fim de semana. Na tarde de sábado, 11, ocorreu a assembleia de fundação da Associação dos Descendentes e Amigos do Núcleo Pioneiro da Imigração Italiana no Brasil. O evento aconteceu no bairro Colônia, em São João Batista. Antes, a comunidade participou de missa presidida pelo bispo Dom Vitus Schlickmann Roetger, na igreja São José, no mesmo bairro.

O ato teve participação das autoridades locais, estaduais e ainda do patrono da associação, o príncipe Dom Bertrand de Orleans e Bragança. Na ocasião, José Sardo foi eleito diretor-presidente e Wanwder Valério Vieira como diretor vice-presidente.

O historiador Paulo Vendelino Kons afirmou que o objetivo central da fundação da associação é o resgate e preservação da memória por meio da difusão da epopeia que envolve os 132 imigrantes católicos originários do Reino da Sardenha. “A associação marca um passo decisivo entre os descendentes e amigos do primeiro núcleo dos italianos no Brasil”, frisou. Com a associação, o objetivo é manter os princípios e valores dos imigrantes e se estabelecer um ponto de encontro e diálogo.

O prefeito de São João Batista, Daniel Netto Cândido, disse que é uma alegria reviver a história dos antepassados. “Mais do que isso, estamos fazendo história. Nossos herdeiros estudarão o que estamos fazendo hoje. Por isso é um momento importante para a história de São João Batista e para o bairro Colônia”.

Cândido ressalta que o momento não é apenas um registro do passado, mas um incentivo para que as crianças falem e estudem a história local.

Após presidir a missa, o bispo Dom Vitus permaneceu na assembleia fundacional e ressaltou a importância do evento. “Para mim é uma satisfação estar nessa comemoração e presidir a santa missa, pois o acontecimento de 150 anos é uma vez só e não pode ser esquecido. Por isso, parabenizo a todos os descendentes e moradores dessa região”.

Projetos em andamento
Kons explica que, de imediato, será iniciado, por meio da associação, o estudo da língua italiana, pois mais tarde haverá intercâmbios com a Itália. “Para isso, uma das condições é de que se faça corretamente o uso do idioma da pátria de origem”.

O professor Juliano Mazzola é quem ministrará as aulas e, nas próximas semanas, iniciará os estudos no bairro. Além disso, haverá um centro de memórias, um museu e um arquivo histórico. “Estaremos articulados com o poder público para que todas as crianças que frequentam as escolas conheçam essa história, pois hoje, infelizmente, nem as crianças de Colônia a conhecem. Esses fatos são omitidos tanto na rede pública quanto na particular de ensino”, comenta o historiador.

Por último, Kons afirma que a associação dará passos largos para efetivar eventos, simpósios, semanas culturais e uma festa anual alusiva à fundação da Colônia Nova Itália.

O evento
As celebrações dos 150 anos da Colônia Imperial Príncipe Dom Pedro iniciaram no dia 5 de março, com culto na Igreja Evangélica de Confissão Luterana Brusque. A programação seguiu nos dias 9, 10, 11 e encerra na noite de domingo, 12, com culto do Conselho de Pastores de Brusque (Copab), na Igreja Evangélica Calvário.

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio