Caminhadas em meio à natureza ganham adeptos em Brusque e região

Modalidade não tem fins competitivos e os praticantes podem completar o percurso no seu ritmo

Caminhadas em meio à natureza ganham adeptos em Brusque e região

Modalidade não tem fins competitivos e os praticantes podem completar o percurso no seu ritmo

Uma atividade física que está cada vez mais popular entre os moradores da região é a caminhada em meio à natureza. Popularmente conhecida como trekking, a modalidade não tem fins competitivos, é apenas um momento para se exercitar e, ainda, entrar em contato com a natureza.

Geralmente, nos fins de semana é que o movimento pelas trilhas aumenta. Há opções para vários níveis de condicionamento físico, já que como não é uma competição, cada um pode completar o percurso no seu ritmo.

A Associação de Ecoturismo, Preservação e Aventura do Vale do Itajaí (Assepavi), de Guabiruba, realiza caminhadas deste tipo quase todos os meses e, segundo o presidente da entidade, Ivan Fischer, a procura está cada vez maior.

“Fazemos bastante atividades como cicloturismo, acampamentos, mas notamos com o decorrer do tempo que o que o pessoal mais gosta é subir morro, vai até o cume, tira umas fotos e depois desce”, diz.

Pelo segundo ano, o Sesc realizou o circuito de caminhadas na natureza em Brusque, em junho, e o número de participantes mais que dobrou de uma edição para a outra. “No ano passado foram 140 inscritos, e neste ano fechamos em 296 inscrições. O pessoal tem procurado bastante esse tipo de exercício físico”, explica o coordenador de atividades do Sesc, Jussinei Sartori.

Neste ano, o grupo subiu o Morro de Santo Antônio, no Lageado Alto, em Guabiruba, um percurso que pode ser feito por qualquer faixa etária, sempre respeitando as limitações de cada um.

“Tivemos participantes de várias idades e todos gostaram muito. Com certeza é uma atividade diferenciada, que permite com que as pessoas conheçam os atrativos naturais da nossa região. Não é só a caminhada pela caminhada, tem a questão ambiental por trás também”, diz.

Já no último domingo, 30, um grupo de 88 pessoas subiu o Morro de São José, em Guabiruba, para se exercitar e renovar as energias em meio à natureza.

Um dos organizadores da caminhada, o acadêmico de Educação Física Alex Sandro Landeira, explica que mesmo com uma característica mais intensa, o percurso todo foi um sucesso.

O grupo caminhou cerca de 2,2 quilômetros e levou, em média, uma hora, para subir até o cume do morro – levando-se em consideração o ponto inicial e o ponto final da caminhada. “Mesmo quem não tem um condicionamento físico pode ir parando. A ideia é ir cada um no seu tempo, curtindo a natureza. O interessante é que a maioria dos participantes nasceu na região e não conhecia o lugar. Todo mundo se surpreendeu”, diz.

Landeira também ressalta os benefícios das caminhadas para a saúde. “Melhora a capacidade cardiorrespiratória, a resistência muscular. É um grande benefício poder fazer atividade ao ar livre. Este tipo de exercício vem bem de encontro pela busca pela saúde”.


O gerente de crédito Israel Cypriano, 40 anos, é praticante da caminhada há cerca de 10 anos. Sempre que possível, ele participa de caminhadas pelos morros da região e, além do benefício para a saúde, também destaca o conhecimento sobre as belezas regionais.

“Com essas caminhadas, a gente acaba aprendendo mais sobre a nossa região. Tem muita coisa de parte cultural e histórica de Brusque e Guabiruba que aprendi depois que comecei a fazer as caminhadas”.

Programação mensal
No começo de cada mês, a Assepavi divulga em seu site (www.assepavi.com.br) o calendário com as atividades que serão realizadas naquele período para que os associados e demais praticantes possam se programar. Quem opta por participar de uma caminhada realizada pela Assepavi, pode conferir no momento da inscrição o grau de dificuldade.

“Temos para todos os tipos de condicionamento físico. Geralmente, o pessoal procura mais as caminhadas de nível médio”.

Fischer destaca que as trilhas mais procuradas pelos integrantes da associação são o morro do Spitzkopf e o morro da Gueba, em Guabiruba, e o morro do Carneiro Branco, entre Guabiruba e Botuverá.

Orientações
Apesar de não necessitar de grande preparo físico, é importante que os praticantes de caminhada realizem as trilhas na companhia de pessoas que conhecem o local, assim, evita-se acidentes. Segundo Fischer, 12 integrantes da Assepavi estão concluindo os cursos de condutores para poderem guiar os grupos com segurança pelas trilhas da região. Também é importante levar sempre água e alimentos.

Trekking ou hiking?
Na região, as caminhadas na natureza são popularmente chamadas de trekking, entretanto, o nome correto para este tipo de esporte é hiking. Os dois são esportes que tem como base a caminhada, mas tem diferenças simples.

O hiking consiste em uma caminhada de curta duração, de poucas horas e que não seja necessário acampamento ou alojamento. Geralmente, o hiking é praticado em ambientes naturais e com trilhas auto-guiadas, ou seja, uma espécie de bate-volta na trilha.

Já o trekking é uma caminhada mais longa, que dura mais de um dia e que, por isso, os praticantes precisam acampar no meio do percurso.

Agenda de agosto da Assepavi
12/08 – Caminhada até o Morro do Vigia (entre Brusque e Nova Trento)
19/8 – Caminhada trilha Casa do Mel (Guabiruba)
20/8 – Caminhada até o Morro Grande (Limeira Alta – Brusque)
26 e 27/8 – Acampamento no Morro do Bateas (Brusque)

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio