Carlos Renaux busca vaga na final contra o melhor ataque da Série C

Vovô recebe o Atlético Itajaí com uma defesa que não sofre gol há 331 minutos, mas com um ataque que sofre para marcar gols

Carlos Renaux busca vaga na final contra o melhor ataque da Série C

Vovô recebe o Atlético Itajaí com uma defesa que não sofre gol há 331 minutos, mas com um ataque que sofre para marcar gols

Após a fase de grupos atrapalhada pela perda de seis pontos a partir da terceira rodada, o Carlos Renaux conquistou uma classificação suada para enfrentar o Atlético Itajaí nas semifinais da Série C do Campeonato Catarinense, neste domingo, 14, no Augusto Bauer, às 15h. Menos pressionado do que nas últimas semanas, o Vovô quer a vitória para poder jogar a obrigação sobre o adversário no segundo jogo. A equipe auriazul terminou a primeira parte da competição com desempenho melhor e, portanto, tem vantagem no mata-mata.

O Vovô chega às semifinais ainda com clara dificuldade para marcar gols: marcou 11 em seis jogos, menos de dois por partida. Sete dos 11 gols foram na estreia contra o Porto. Não foram marcados gols contra o principal adversário, Caçador, e nas três últimas partidas, apenas o lateral-direito Thierry marcou um solitário gol na vitória contra o Porto, no returno, que assegurou a classificação.

Por outro lado, o técnico Taíco pode confiar no fato de que o sistema defensivo vive um momento muito bom. O Vovô sofreu gols em apenas dois dos seis jogos da fase de grupos: a derrota por 3 a 0 contra o Caçador e a vitória por 3 a 1 sobre o Jaraguá. Os dois jogos foram no primeiro turno, ou seja, a equipe não sofre gols há três jogos. Lá se vão 331 minutos desde que Jackson Júnior, do Jaraguá, fez um golaço de fora da área, o único sofrido pelo goleiro Nathan.

A situação de desfalques já foi pior ao Vovô, mas há ausências importantes: o meia Djonathan deve ficar fora, assim como o goleiro Felipe. O camisa 10 original do time, Alisson, pode atuar no máximo 40 minutos. O zagueiro Erivelto segue se recuperando e deve ser opção no banco. Murilo retorna de suspensão e fará dupla com Arthur, ainda que, conforme Taíco, Luan tenha tido uma ótima atuação em Porto União. O volante Willian também volta de suspensão, enquanto Thierry segue pendurado desde a segunda rodada.

“É outro campeonato. Vamos jogar de igual para igual, e como o campeonato muda totalmente, não temos mais aquela pressão. Nosso time vem jogando bem, mas falta o gol. Estou trabalhando muito a finalização nesta semana. O [Atlético] Itajaí merece respeito, mas tenho que sair pra cima, porque eles jogam com a vantagem. Temos que ganhar aqui e não levar o jogo de volta para a prorrogação. Não há favoritos entre os quatro semifinalistas. Serão jogos definidos em detalhes”, afirma o técnico do Vovô.

Taíco deve levar a campo uma equipe formada por Nathan; Thierry, Arthur, Murilo, Thiago Cristian; Willian, Jader; Daniel Bahia, Athos, Luizinho; Fabinho.

“Somos o clube com menos condições de subir”
Com 40 gols marcados — mais de seis por partida —, o Atlético Itajaí tem o melhor ataque da competição, mas também tem a defesa mais vazada entre os quatro semifinalistas, com sete gols sofridos. Os atacantes Jean Carlos e Bruno Ferreira são os artilheiros da competição, com nada menos que 12 gols cada, beneficiados também pela goleada de 19 a 0 sobre o Curitibanos.

Com 15 pontos em seis jogos, a única derrota da equipe foi na quinta rodada, por 3 a 2, para o Próspera, em Criciúma. Animada com a ótima campanha, a diretoria ofereceu um ônibus para que os torcedores possam vir sem custo algum ao Augusto Bauer.

“Temos uma vantagem em mãos, mas não vamos mudar nossa forma de jogar”, explica o técnico do Atlético Itajaí, Rony Aguilar.

O treinador reconhece a ótima campanha e admite que os quatro finalistas estão muito nivelados. No entanto, destaca que poucas pessoas acreditavam no projeto até ele ser posto em prática na Série C, e joga o favoritismo para o Carlos Renaux.

“Eu vejo o Atlético Itajaí como o clube que tem menos condições de subir. Foi cravado em algumas mídias, redes sociais, que a Caçadorense [Caçador] era um time que já tinha subido, o Carlos Renaux e o Próspera iriam brigar para subir. O Orleans, como vice-campeão do ano passado, iria brigar para subir. Falaram até do Curitibanos, ninguém citou o Atlético de Itajaí. Hoje estamos nas semifinais sem estádio próprio, diferente de nossos adversários. São três equipes grandes, e vamos nos colocar como azarões, vamos ser humildes”, explica.

A equipe deve ser a mesma que jogou contra o Curitibanos, na goleada por 19 a 0: Edmar; William Grilo, Gustavo Chedid, Téssio, Cristiano; Gabriel, Wendel; Renan Matheus, Hadrian, Bruno Andrade; Jean Carlos. O meia Paulinho está lesionado e é dúvida.

Regulamento
As semifinais da Série C são diferentes dos mata-matas convencionais. O regulamento da competição explica que o saldo de gols não é considerado. Além disso, se houver dois empates ou se cada equipe vencer uma das partidas, será disputada uma prorrogação de dois tempos de 15 minutos. Ou seja, se o Carlos Renaux vencer por 1 a 0 em Brusque e perder por 4 a 1 em Itajaí, por exemplo, haverá esta prorrogação.

Desconsiderando o placar da partida de volta, se a prorrogação terminar empatada, será classificado o time mandante do jogo de volta, que teve melhor campanha. Ou seja, utilizando a hipótese anterior, se a prorrogação terminar em 2 a 2, por exemplo, o Atlético Itajaí vai à final. O Carlos Renaux precisaria vencer a prorrogação para passar adiante. Duas vitórias ou uma vitória e um empate eliminam a chance de prorrogação.

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio