Especial 155 anos de Brusque

Especial 155 anos de Brusque

 

Conheça mais sobre 11 construções que fazem parte da história de Brusque. 

O conteúdo integra o caderno especial produzido pelo jornal Município Dia a Dia, encartado na edição de 4 de agosto.

 

IMG_7766

VILLA RENAUX

É numa entradinha estreita, camuflada no terreno a poucos metros da Fábrica de Tecidos Carlos Renaux, na avenida Primeiro de Maio, que começa a viagem no tempo e na história de Brusque. Seguindo a pequena trilha, chega-se a uma espécie de floresta com grandes árvores nativas ainda preservadas. O caminho – que adentra a mata – tem aspecto úmido e frio e, aos poucos, cada curva vencida vai revelando o cenário, um dos mais fantásticos da cidade. No alto da colina está a imponente mansão construída para Cônsul Carlos Renaux – o fundador da primeira fiação de Santa Catarina, que deu à cidade o título de “Berço da Fiação Catarinense”. Veja a galeria de fotos

 

IMG_2535VILLA QUISISANA

No coração de Brusque, permanece intocada uma das construções mais emblemáticas da cidade. Carregada de mistério, a Villa Quisisana leva os pensamentos de qualquer um ao longe. Poucas são as pessoas autorizadas a entrar no local. Os grandes portões que protegem a mansão se transformam, então, em janelas por onde se tenta observar, pelo menos, algum detalhe que satisfaça a grande curiosidade que o local desperta. A bela casa foi construída por Edgar Von Buettner – fundador da empresa têxtil Buettner. A construção iniciou em 1932 e terminou em 1934, quando ele, a esposa Idalina e as duas filhas: Íris Renate e Edelgard Gerda se mudaram para o palacete. Veja a galeria de fotos

 

IMG_2417RESIDÊNCIA DE HUGO SCHLÖSSER
A casa construída pelo industrial Hugo Schlösser está localizada ao lado do parque fabril da companhia que leva o seu sobrenome, e, por isso, impossível era dissociar a rotina familiar da laboral. Eram outros tempos, a batida dos teares martelava insistentemente. Hoje, não mais os teares são ouvidos, tampouco a casa é habitada. Um pedaço do teto, deteriorado, ameaça ruir. Dentro, só poeira e móveis velhos. O imóvel, datado de meados de 1944, não possuía lá complexos padrões arquitetônicos. Era uma casa de estilo simples, cujas cores – branca com janelas e adereços marrons – seguiam o padrão das edificações construídas para a fábrica. Veja a galeria de fotos

 

 

 

enxaimel 1RESIDÊNCIA ENXAIMEL

Escondida no fim da SP-006 – uma rua estreita, com muito verde e chão batido – está é uma das únicas casas sobrevivente do estilo enxaimel no bairro São Pedro. A casa, localizada em um grande terreno, pertence à família Fischer. Foi construída para ser o lar do casal Vicente Fischer e Magdalena Pettermann Fischer, em 1935, após o seu casamento, em 27 de abril daquele ano. Descendente de alemães, Vicente foi tecelão da Buettner; Magdalena, dona de casa. Da união dos dois nasceram cinco filhos: três meninos e duas meninas. A mais nova, Esmeralda Fischer Hörner, 63 anos, é quem mantém a pequena e encantadora casa preservada entre a arquitetura moderna que a rodeia. Veja a galeria de fotos

 

 

1CASARÃO DE DOM JOAQUIM

Em 1884, chegaram a Santa Catarina revistas que continham os primeiros ensinamentos baseados na doutrina Adventista. Eles foram endereçados ao senhor Carlos Dreefke, residente em Brusque, história esta que está intimamente ligada ao centenário casarão de Dom Joaquim. Em 1878, um jovem alemão residente em Brusque, Burchard, cometeu um crime, e para escapar da justiça local foi ao porto de Itajaí, onde entrou como clandestino a bordo de um navio. Durante a viagem, conheceu dois missionários adventistas, os quais lhe entregaram literatura sobre o tema. Burchard era enteado de Carlos Dreefke, que apreciava literatura religiosa. O pacote foi entregue no armazém do senhor Davi Hort, hoje conhecido como Casarão de Dom Joaquim. Veja a galeria de fotos 

 

principalCLUBE DE CAÇA E TIRO ARAÚJO BRUSQUE

O início da construção da edificação onde hoje está sediado o Clube de Caça e Tiro Araújo Brusque data de meados de 1927, mas sua história é de algumas décadas antes. Inaugurado em julho de l866, o clube é o mais antigo do gênero, na América Latina. É também o mais antigo ainda em pleno funcionamento no Brasil. Como finalidade inicial, o Clube de Caça e Tiro servia para treinamento de tiro para defesa contra os aguardados ataques dos indígenas, à época, e para encontros das famílias brusquenses, após o culto dominical.Atualmente, o espaço localizado na rua Hercílio Luz é vocacionado aos múltiplos usos que o tornaram um dos símbolos da vida social no município. Veja a galeria de fotos

 

 

IMG_3084

VILLA IDA
O quarto escuro e abandonado no segundo andar foi cenário para a tragédia que abalou Brusque no fim da década de 1940. O industrial Ivo José Renaux, 32 anos, foi encontrado morto, com um tiro na cabeça, na manhã do dia 30 de julho de 1949, deitado em sua cama, com uma das mãos sobre o peito e outra sobre o abdômen. O casarão onde Ivo foi encontrado morto – chamado de Villa Ida – é um dos mais emblemáticos da cidade. Está localizado dentro do terreno da indústria da família, e pode ser admirado da avenida Primeiro de Maio. Hoje, porém, está longe de ser o que era na época de ouro da Fábrica Renaux.  Veja a galeria de fotos

 

IMG_2437RESIDÊNCIA DE ALOIS MORITZ

Esta era a casa de Alois Moritz, na antiga rua das Carreiras, uma das primeiras de Brusque. “Inclusive, foi uma pena terem mudado o nome”, pondera Rogério Moritz, neto de Alois, e que hoje é dono do sobrado azul, datado de meados de 1910, localizado na atual rua Hercílio Luz, no Centro de Brusque. Era uma casa que, naquela época, era longe do Centro, quase uma área rural, de chácaras, não tinha valor comercial, e os imóveis não tinham o valor que têm hoje. Em 1982, o imóvel da família Moritz estava em ruínas, prestes a ser demolido. Rogério, recém formado em arquitetura, o salvou do destino planejado: pediu autorização aos irmãos e ao pai, Carlos Moritz, para restaurá-lo.  Veja a galeria de fotos

 

IMG_2358MUSEU ARQUIDIOCESANO DOM JOAQUIM
O prédio que foi o berço de Azambuja não poderia, simplesmente, ficar vazio, sem uma função. Foi então que Dom Afonso Niehues, sucessor de Dom Joaquim Domingues de Oliveira – segundo bispo da Diocese de Florianópolis e que dá seu nome ao local – pediu à diocese para que o prédio histórico se tornasse um museu. O pedido do bispo foi atendido e o museu começou a funcionar em 3 de agosto de 1960 – véspera das comemorações do primeiro centenário de Brusque. Apesar de ser inaugurado em 1960, a história do museu inicia bem antes, em 1933, quando um homem simples doou todo o seu acervo de antiguidades à diocese em troca da gratuidade dos estudos de seu filho no seminário.  Veja a galeria de fotos

 

37COLÉGIO CÔNSUL CARLOS RENAUX
Os corredores internos da edificação, cuja fundação mais antiga data de 1932, recebem diariamente centenas de crianças e adolescentes à procura de uma formação escolar. Parte delas talvez não saiba o caminho que a instituição trilhou para chegar onde hoje está. O prédio que abriga o colégio Cônsul Carlos Renaux passou por inúmeras transformações desde que foi fundado; diversas alas foram construídas, sobretudo nas anos 1950 e 1980, mas suas características arquitetônicas originais, em estilo elaborado por arquiteto alemão, não se perderam. Veja a galeria de fotos

 

SECUNDÁRIAIGREJA LUTERANA
O templo dos luteranos, reformado cerca de um ano atrás, foi inaugurado em 1895, mas sua história remonta há duas décadas antes, quando os primeiros imigrantes alemães começaram a chegar a Brusque, em 1863, poucos anos depois da fundação do município. Esses imigrantes, luteranos, precisavam de um templo para manutenção de suas atividades religiosas. Desde que foi fundado, o templo conserva quase todas as características originais e é ornamentado com objetos de idade semelhante. Em 1942, uma reforma tratou da ampliação das laterais e do altar, mas nada mais foi modificado, esteticamente. Veja a galeria de fotos

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio