Centro de Hemodinâmica do Azambuja atenderá pelo SUS, afirmam administradores

Credenciamento junto ao Ministério da Saúde não é visto como um empecilho pelos gestores do hospital

Centro de Hemodinâmica do Azambuja atenderá pelo SUS, afirmam administradores

Credenciamento junto ao Ministério da Saúde não é visto como um empecilho pelos gestores do hospital

Após angariar recursos para a construção do Centro de Hemodinâmica por meio da doação de empresários brusquenses, o Hospital Azambuja agora concentra forças na elaboração da ala hospitalar e também no credenciamento do procedimento via Sistema Único de Saúde (SUS). Os administradores se mostram otimistas quanto à obtenção do aval do Ministério da Saúde para atender pelo sistema público.

O que a princípio seria uma busca por recursos apenas para o Centro de Hemodinâmica, tomou proporções maiores. Até a última semana foram angariados R$ 5,5 milhões, e além da nova ala o Azambuja investirá também nas reformas do centro cirúrgico, da sala de emergências, na expansão da recepção e na construção de uma UTI Neonatal.

Veja também:
Justiça suspende liminar que obrigava prefeitura a recolher animais de Éder Leite

Obra de revitalização da praça Barão de Schneeburg começa nesta terça-feira

Posto de atendimento do IPTU já está disponível na Prefeitura de Brusque

 

O credenciamento junto ao SUS já foi solicitado pela direção do hospital. Segundo Evandro Roza, administrador do Azambuja, há uma série de procedimentos para que, de fato, a hemodinâmica possa receber pacientes do sistema público. “Existem trâmites que passam por município, estado e Ministério da Saúde. Nós prevemos que, com o serviço funcionando, dentro de uma normalidade, devemos conseguir o credenciamento seis meses depois”. Neste período, podem ser atendidos normalmente particulares e convênios de saúde.

Porém, conforme explica o diretor do hospital, padre Nélio Roberto Schwanke, há uma proatividade por parte do governo federal para que documentações referentes à hemodinâmica sejam processadas com maior fluidez. “Não é em um estalar de dedos, é preciso se adequar às exigências do Ministério da Saúde. Não conseguimos ter uma previsão exata, mas sentimos que há um interesse maior em atender a população. A fila de espera é grande por aí afora”.

Segundo os administradores do hospital, já há solicitações para que mais procedimentos considerados de alta complexidade sejam credenciados pelo SUS, como cirurgia bariátrica, cirurgia oncológica e a futura UTI Neonatal que será instalada no hospital.

Brusque já tem hemodinâmica
Brusque já conta com uma clínica que proporciona o exame cardíaco. A Angiocor, que atende em uma sala locada dentro do Hospital Imigrantes, atende particular e credenciados. Atualmente, é totalmente desvinculada ao hospital, mas já teve parceria direta com a antiga administração, quando ainda tinha o nome de Hospital Evangélico.

Segundo a auxiliar administrativa da clínica, Luana Pavesi, o credenciamento do procedimento com o SUS foi tentado em anos passados, mas não foi obtida autorização, e atualmente não há mais interesse.

Descentralização dos atendimentos
A demanda pela saúde pública no Brasil é considerada alta, e procedimentos importantes se restringem aos grandes centros, capitais e metrópoles, sobrecarregando hospitais e acarretando na precariedade do atendimento. Conforme explica o administrador do Hospital Azambuja, existe um interesse governamental para que este cenário mude.

Uma das alternativas é justamente aproveitar as estruturas de hospitais já consolidados nas diversas regiões do Brasil. “A tendência que a gente vê é na descentralização dos procedimentos de saúde, para que as pessoas não precisem mais se deslocar tanto. O Azambuja é um hospital de médio para grande porte, e tem condições de absorver público”, diz Roza.

Ainda sem o Centro de Hemodinâmica, os atendimentos cardiológicos são encaminhados do Azambuja, em sua maioria, para Florianópolis. No próximo dia 21, haverá uma reunião com fornecedores para a compra dos equipamentos. “Temos dois fornecedores interessados, e a intenção é comprar máquinas já com ótima resolução. A obra também será executada a partir de março”, explica o padre Nélio.

Ministério esclarece
Em nota, o Ministério da Saúde esclareceu o procedimento de credenciamento da hemodinâmica junto ao SUS. Conforme a nota, o exame é considerado de alta complexidade, e é credenciado a partir de solicitação da gestão local. O contato é feito pela Secretaria Estadual de Saúde junto ao Ministério da Saúde para início do processo de habilitação.

O Ministério ressalta que é decisão dos gestores a definição do melhor desenho de rede assistencial, considerando o perfil epidemiológico e as necessidades de saúde da população. A nota segue explicando que é de competência das Secretarias Estaduais e Municipais providenciar o atendimento aos pacientes, assim como a gestão da fila de espera para realização de procedimentos.

A hemodinâmica
A hemodinâmica é um exame que identifica obstruções das artérias coronárias ou avalia o funcionamento das válvulas e do músculo cardíaco, usando a técnica do cateterismo. O objetivo é diagnosticar uma possibilidade de infarto agudo do miocárdio ou determinar a exata localização da obstrução que está causando este infarto.

Veja também:
Moradora de São João Batista cria matriz para bordados em Braille

Procurando imóveis? Encontre milhares de opções em Brusque e região

Polícia recupera alimentos e eletrodomésticos furtados do Colégio Militar, em Blumenau

Também realiza procedimentos que direcionam o paciente para tratamentos como angioplastias, implante de stents, embolização de aneurismas, tumores e outros defeitos vasculares complexos, além de tratamentos de arritmias e implantes de marcapasso.

Doação dos empresários
Uma ação entre empresários locais arrecadou R$ 5,5 milhões para o custeio do Centro de Hemodinâmica no Hospital Azambuja. O valor começou a ser arrecadado no dia 10 de janeiro, sendo que R$ 2 milhões foram doados somente em cerca de sete horas de ligações 36 empresários dos municípios de Brusque, Guabiruba e Botuverá.

A ação foi capitaneada por Luciano Hang, dono da Havan, com apoio de mais empresários da cidade, como Ademar Sapelli, diretor do Grupo Sancris, e Ingo Fischer, um dos sócios da empresa Fischer.

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio