Com atraso nos repasses, Unifebe não adere ao Fies neste ano

Redução de vagas e das cotas também são motivos para decisão

Com atraso nos repasses, Unifebe não adere ao Fies neste ano

Redução de vagas e das cotas também são motivos para decisão

O Centro Universitário de Brusque (Unifebe) está desde o segundo semestre do ano passado sem ofertar cursos por meio do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies). A redução das cotas e o atraso nos repasses em 2015 pelo governo são alguns dos principais motivos para a não continuidade do programa.

O pró-reitor de Administração e vice-reitor da Unifebe, Alessandro Fazzino, afirma que o governo reduziu consideravelmente as cotas do Fies. Além disso, também solicitou que nos novos contratos a universidade concedesse um desconto sob a mensalidade no valor mínimo de 5%.

Para ele, isso fere a regra de isonomia da Unifebe, pois não se pode dar desconto para os acadêmicos que integram o programa, em detrimento dos demais, que não teriam o abatimento. “Até para nos preservarmos e mantermos justiça e singularidade em relação a todos os pagamentos e mensalidades, optamos em não fazer novos contratos”.

Fazzino diz que mesmo que abrisse vagas pelo Fies, não conseguiriam mais de nove ou dez novos contratos. Ele explica que as novas regras beneficiam primeiro os cursos de Medicina, Licenciaturas e Engenharias e que por isso a região Sul foi uma das mais prejudicadas no país.

O vice-reitor ainda afirma que o corte no Fies prejudica os alunos e também a instituição. Segundo ele, um grande número de estudantes utilizava o programa. Desde 2007, quando o fundo começou a ser ofertado na Unifebe, até o ano passado, cerca de 900 alunos ingressaram na instituição. Somente em 2015, auge do programa, foram aproximadamente 650.

O vice-reitor também diz que para 2016 a Unifebe não tem previsão de aderir o Fies, principalmente devido ao cenário econômico e político do país.

Novas regras

Na quarta-feira,27, o Ministério da Educação (MEC) anunciou novas regras do Fies, que valerão para os contratos firmados no segundo semestre. Elas incluem a ampliação do prazo para conclusão da inscrição de cinco dias corridos para cinco dias úteis e maior autonomia para a instituição confirmar a matrícula do estudante, por meio da Comissão Permanente de Supervisão e Acompanhamento (CPSA). Haverá também redução do patamar mínimo de prestação do Fies de R$ 100 para R$ 50.

O MEC flexibilizou a oferta de cursos prioritários. Até o último processo seletivo, 70% das vagas eram ofertadas em Saúde, Engenharias e Licenciaturas e Pedagogia. Agora serão 60% para essas áreas. Além disso, as vagas que não forem preenchidas no processo seletivo regular serão ofertadas novamente, com prazo específico para alunos inscritos que não foram aprovados. Está prevista também etapa para que os estudantes que não foram aprovados no Fies do primeiro semestre concorram às vagas remanescentes. As que sobrarem poderão também ser ofertadas em outros cursos da mesma mantenedora de ensino.

O MEC ainda mantém a exigência de o estudante tirar pelo menos 450 pontos no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) para concorrer às vagas e de renda familiar de até 2,5 salários mínimos por pessoa.

Vagas limitadas na Assevim

A diretora da Uniasselvi/Assevim, Graziele Beiler, diz que as mudanças são boas, se saírem do papel. Atualmente, dos estudantes da instituição, 45% ingressaram por meio do Fies. A principal reinvindicação da instituição também é quanto às poucas vagas que são disponibilizadas. Segundo ela, o número é limitado. Nos últimos três editais, apenas 11 alunos ingressaram por meio do Fies. “O programa é muito bom, mas não contempla a demanda que temos. O governo também está desacreditado, então não sabemos se essas mudanças serão efetivadas”.

Graziele ainda afirma que não há previsão de quantas vagas o governo abrirá este ano para a Uniasselvi/Assevim. As inscrições para o programa ainda não estão abertas, mas podem ser feitas via internet ou na unidade. Após a aprovação da documentação, é efetivada a matrícula. Se o aluno aderir o Fies, será necessário fazer o cadastro no próprio site do programa.

 

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio