Comerciantes da rua Adriano Schaefer aderem ao programa Rede de Vizinhos

Programa da Polícia Militar foi expandido para o comércio e lojistas da via foram os primeiros beneficiados

Comerciantes da rua Adriano Schaefer aderem ao programa Rede de Vizinhos

Programa da Polícia Militar foi expandido para o comércio e lojistas da via foram os primeiros beneficiados

Há um mês está em funcionamento em Brusque a primeira Rede de Vizinhos para o comércio. O projeto da Polícia Militar, inicialmente pensado para moradores, expandiu também para os comerciantes e, no primeiro momento foi implantado na rua Adriano Schaefer, no Centro. Cerca de 90% do comércio aderiu ao programa que já vem mostrando resultados.

No dia 12 de julho, os empresários participantes da Rede de Vizinhos estiveram na sede do 18º Batalhão para uma reunião. Eles receberam diversas orientações e dicas de segurança que poderão também utilizar no dia a dia. O sargento Edson Sidney Gielow é o responsável por desenvolver o projeto em Brusque.

O policial explica que o objetivo principal do programa é trabalhar a segurança comunitária e desenvolver a conduta vigilante entre os participantes. “A ideia de trazer a Rede de Vizinhos para o comércio foi dos próprios policiais que fazem a ronda preventiva no Centro”, conta.

Segundo o sargento Sidney, em Brusque já há 15 Redes de Vizinhos formalizadas em diversos bairros, no entanto, esta é a primeira totalmente voltada ao comércio. “A intenção agora é expandir para a avenida Cônsul Carlos Renaux. Inclusive já estamos mobilizando esses comerciantes”.

O proprietário da Relojoaria e Ótica Stonfer, Airton Bastiani, afirma que toda ação que visa a segurança é sempre bem-vinda, por isto não pensou duas vezes para participar do programa. “Achei a ideia ótima, até porque os policiais não conseguem estar em vários lugares ao mesmo tempo”, diz.

A relojoaria está na rua há 30 anos e neste período já sofreu com crimes pequenos, como furtos. “Vi na Rede de Vizinhos uma maneira de minimizar esses crimes, pois pelo grupo de WhatsApp a gente pode avisar quando ocorrer alguma coisa e alertar os colegas, para que não sejam prejudicados também”.

Para o gerente da Farmácia dos Trabalhadores, Clóvis Cabral, o programa é prático por ser por meio do aplicativo de mensagens instantâneas. “Neste grupo do aplicativo participam dois policiais, então sempre que há uma manifestação, eles já respondem e nos orientam. Além disso, temos a placa do programa em frente ao comércio, que também já chama a atenção das pessoas”, diz.

Há cerca de um ano e meio, a farmácia foi vítima de arrombamento durante o período de recesso. E, constantemente, sofre prejuízos com furtos pequenos. “Este é o mais comum em todo o comércio e que precisa acabar”.

A proprietária da loja Referência, Pamela Camila, percebe que nos últimos anos a criminalidade na rua tem crescido. “Era necessário uma ação para acabar com isso e a Rede de Vizinhos colabora, pois acaba intimidando a pessoa que chega com má intenção”, diz.

Em pouco tempo de funcionamento, o programa já deu resultados. Cabral relata que dias atrás um homem foi até uma sorveteria na rua, comeu, e na hora de pagar o cartão deu erro.

Ele então disse que ia até a agência bancária pegar dinheiro e não voltou mais. “Foi repassado no grupo sobre a situação, outro comerciante mandou uma foto, pois também havia sido vítima dele e os policiais nos informaram que era um velho conhecido da PM e, inclusive, já havia sido preso”, conta.

Menos chances aos criminosos
O sargento Sidney afirma que quando as pessoas se unem pela segurança de um lugar em comum, os criminosos têm menos oportunidades, e assim, se mantêm afastados da região. “Os mais antigos costumam dizer que ‘hoje não é mais como antigamente’ e isto é verdade, pois as cidades crescem a cada dia, em termos de desenvolvimento e população. Mas podemos considerar nossa cidade com um índice de criminalidade abaixo de outras bem próximas”, diz.

O militar acrescenta que todo comércio sofre com furtos, roubos e estelionatos, por isso é necessário manter sempre a atenção. “Ter uma forma com que os comerciantes possam se comunicar, interagir e trocar informações de algo suspeito é uma maneira de prevenção”.

A união e parceria entre a comunidade e polícia também é destacada pelo sargento para que se atinja os objetivos com maior efetividade. “A população precisa acreditar nessa parceria. É isso que surtirá efeito em médio e longo prazo”.

Como participar
Para propor a criação de Rede de Vizinhos na sua rua, entre em contato com a Polícia Militar pelo 3251-8270.

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio