Conselho Tutelar de Brusque registra anualmente centenas de casos de jovens que abandonam a sala de aula

Levantamento mostra que houve 169 casos de evasão ou faltas por longos períodos no primeiro semestre de 2016

  • Por Redação
  • 8:38
  • Atualizado às 15:06

Conselho Tutelar de Brusque registra anualmente centenas de casos de jovens que abandonam a sala de aula

Levantamento mostra que houve 169 casos de evasão ou faltas por longos períodos no primeiro semestre de 2016

  • Por Redação
  • 8:38
  • Atualizado às 15:06
  • +A-A

Um dos principais desafios para a educação no Brasil é conseguir diminuir a evasão escolar, e em Brusque, não é diferente. Levantamento do Conselho Tutelar, a pedido do Observatório Social de Brusque (OSBr), mostra que houve 169 casos de evasão ou faltas por longos períodos apenas no primeiro semestre deste ano.

A pesquisa também mostra que em 2015 o número foi bem maior: 528. Em 2013 e 2014, a estatística permaneceu acima dos 300 casos de evasão e infrequência atendidos pelo Conselho Tutelar.

O diagnóstico mostra que a evasão escolar é um dos principais problemas no município. As situações que chegam ao Conselho Tutelar são mais complexas, pois o primeiro contato com os pais é feito pela escola.

O critério usado pelo sistema educacional para relatar infrequência ou evasão é o seguinte: cinco faltas consecutivas ou sete alternadas no mesmo mês, a escola chama os responsáveis para uma conversa.

Se isso ocorre de novo, vai para o Conselho Tutelar, que adverte por escrito os responsáveis. Se ainda assim não melhorar, a promotora do Ministério Público assume o caso.

Situação comum

Os motivos que levam os menores, principalmente adolescentes, a abandonar a sala de aula são diversos. “Quando é na adolescência, é porque eles não querem mais estudar, temos um número muito grande [de evasões] na adolescência”, afirma a conselheira Neide Dalmolin.

Neide concedeu entrevista ao lado dos conselheiros Nathan Krieger, Arilson Fagundes, Maria Zucco e Norberto Boos para falar sobre o assunto. Segundo eles, existem mais casos, mas não chegam ao seu conhecimento.

“O problema maior é quando é com estudantes com menos de 12 anos, que são crianças, aí o caso precisa ser investigado para ver se tem uma negligência mais séria”, afirma Neide. Entretanto, a maior parte das evasões ocorre a partir do sétimo ano do Ensino Fundamental.

De acordo com o conselheiro Boos, muitos pais de adolescentes nem sabem que os filhos largaram a sala de aula. Quando chamados pelo Conselho, contam que viam eles saírem para a escola todos os dias e se dizem surpresos.

O problema da evasão tem suas causas na estrutura familiar. Os pais devem ser presentes para evitá-lo. “A grande maioria é problema do adolescente, não são os pais que não querem que ele vá para a escola”, afirma Fagundes.

Gered reconhece problema

Sônia Maffezzolli, gerente de Educação da Agência de Desenvolvimento Regional (ADR) de Brusque, diz que a evasão ocorre mais no primeiro ano do Ensino Médio, conforme pesquisas já realizadas.

Segundo Sônia, a região tem uma cultura muito voltada ao trabalho, por isso muitos adolescentes desistem da escola. “A maioria dos estudantes [que desistem] quer trabalhar, e os pais de outros entendem que o estudo se encerrou no 9º ano”, afirma.

É comum que salas de aula comecem o ano letivo cheias, mas terminem com “poucos gatos pingados”. De acordo com Sônia, os alunos arrumam trabalho durante o ano e não conseguem conciliar estudos e trabalho, por isso largam a escola.

A gerente de Educação ressalta que a pasta sabe disso, entra em contato com os pais sempre que necessário e, inclusive, faz uma campanha para que os adolescentes pensem no futuro e não abandonem os cadernos.

Município

A evasão no Ensino Fundamental – competência do município – é bem menor, no entanto, a Secretaria de Educação também se mantém alerta. “As escolas utilizam o Programa de Combate à Evasão Escolar (Apoia) quando algum aluno deixa de frequentar a instituição. Após a inclusão do aluno no sistema Apoia, os encaminhamentos são feitos pelo Conselho Tutelar e Ministério Público”, informa a pasta em nota.

EVASÃO TABELINHA

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio