Delegado diz que assassinato de indígena não foi motivado por discriminação

Policiais detalham investigação sobre a morte do professor indígena Marcondes Namblá

Delegado diz que assassinato de indígena não foi motivado por discriminação

Policiais detalham investigação sobre a morte do professor indígena Marcondes Namblá

Delegados da Polícia Civil envolvidos na investigação do assassinato do professor indígena Marcondes Namblá, ocorrido em Penha na virada do ano, sustentam que o crime teve motivo fútil. Gilmar Cesar de Lima, 22 anos, teria atacado a vítima com um pedaço de pau porque teria mexido com o cachorro dele.

Conforme o relato dos policiais, o cão estaria dentro do cercado da casa onde Lima estava. Namblá teria parado em frente ao portão e mexido com o animal. O assassino teria visto a cena e houve discussão. O professor então saiu caminhando, mas foi perseguido e agredido.

Em entrevista coletiva na Delegacia Regional de Polícia Civil, em Blumenau, os policiais disseram que Lima confessou o crime. Conforme o delegado Douglas Teixeira, não há hipótese de crime encomendado ou de conflito envolvendo a origem de Namblá.

“Ficou bem claro que a motivação não guarda nenhuma relação com a origem dele ser indígena”, afirmou.

Desde o crime, familiares, lideranças indígenas e movimentos sociais vêm pressionando as autoridades para que investiguem o caso a fundo. Um pedido para que a Polícia Federal investigue o crime chegou a ser apresentado. Para Teixeira, não há dúvidas sobre a motivação do crime e não há necessidade de uma investigação adicional.

Prisão
Gilmar Cesar de Lima foi preso na manhã desta sexta-feira, 12, na casa da irmã, em Gaspar. Conforme a polícia, houve buscas em sete locais diferentes desde o dia do homicídio. Mais de 40 policiais civis e militares de Itajaí, Gaspar e Blumenau participaram das buscas após denúncias anônimas desvendarem o paradeiro dele.

Lima já era foragido da Justiça antes mesmo de matar Marcondes Namblá, no dia 1º de janeiro. Ele é suspeito de participação em outras duas tentativas de homicídio, além lesão corporal, receptação de furto e violência doméstica.

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio