Dialeto bergamasco falado por imigrantes italianos de Botuverá está ameaçado de extinção

Inspirados por expressões populares, botuveraenses ilustres lutam para cultivar o bergamasco

Dialeto bergamasco falado por imigrantes italianos de Botuverá está ameaçado de extinção

Inspirados por expressões populares, botuveraenses ilustres lutam para cultivar o bergamasco

Quanda sa preserva la stória, sa fa honor ai antepassac. Ou: Preservando-se a história, homenageia-se os antepassados. Inspirados por expressões populares como essa, botuveraenses ilustres lutam para cultivar o bergamasco. Embora ainda existam famílias que repassem o dialeto de geração a geração, a grande maioria das crianças e dos jovens não sabe se comunicar por meio dele. Desleixo dos pais, falta de vontade dos filhos, carência de gramática específica e inviabilidade de acrescentar o bergamasco na grade curricular das escolas estão entre os motivos principais apontados pelos moradores do município.

Autor do hino de Botuverá e de livros que contam a história da cidade, Pedro Luiz Bonomini, de 65 anos, debruçou-se durante um ano sobre palavras, letras, folhas e cadernos para criar um dicionário bergamasco. Inspirado pelo amor ao dialeto e às tradições italianas, Bonomini conseguiu escrever cerca de 800 palavras. No entanto, encerrou os trabalhos em 2010 por não visualizar a “linha de chegada”.

“Eu me propus a fazer para ficar na história. Mas tem de ter muita paciência. É preciso pegar um dicionário de 60 mil verbetes em português e ir passando as palavras que são usadas em bergamasco. E é preciso também colocar, além da palavra no dialeto, a forma como se pronuncia”, explica.

O autor cobra auxílio e incentivo do poder público para a retomada do trabalho. Afirma que são necessárias muitas horas diárias de dedicação para a montagem de um dicionário. Bonomini não se refere apenas à remuneração, refere-se principalmente ao reconhecimento por tentar preservar o dialeto.

“Eu puxei a orelha dos governantes antigos que não incentivaram na escola. Está na hora de alguém colocar o bergamasco como um idioma. Teria de ter algum projeto também para que os pais incentivassem os filhos em casa a falar, porque isso já não acontece mais”, lamenta.

Prefeito de Botuverá entre 1993 e 1996 e de 2005 a 2008, Moacir Merizio tentou inserir o bergamasco na grade curricular das escolas. Porém, ao conversar com professores e com representantes da Educação no município, a ideia foi rechaçada. O motivo, segundo ele, estava vinculado à falta de uma gramática específica do dialeto, tanto em Botuverá quanto na Itália.

“Tentei colocar na grade quando estava no segundo mandato, mas não havia como. Os professores precisam de gramática para lecionar, do contrário não dá. E não daria nem para ensinar os verbos no italiano clássico e a fala no dialeto, já que as palavras são completamente diferentes”, explica.

O ex-prefeito acredita que o bergamasco tende a se extinguir no decorrer dos anos, sobretudo, pela falta de interesse dos jovens. Tal qual Merizio, o atual prefeito de Botuverá, José Luiz Colombi, o Nene, também crê no fim do dialeto. Nene é ainda mais categórico: para ele, em 30 anos o bergamasco deverá estar extinto no município.

“As novas gerações não falam o idioma, muitos jovens têm vergonha de falar. É uma questão cultural. Até porque hoje em dia, quando a criança nasce, ela já é colocada na frente da televisão. E os desenhos são todos em português. Então, elas vão aprendendo. Inclusive, porque os pais também falam com elas apenas em português”, afirma. Apesar do pessimismo com o futuro do idioma, Nene diz que pretende executar um projeto no qual as escolas inserem o italiano clássico na grade curricular e, “em paralelo, os professores também trabalhariam o bergamasco com os alunos”. O prefeito lembra que, além disso, “teria de ser executada uma campanha de incentivo junto aos pais para que eles usem o idioma em casa. É muito complicado. Tem de ser bem pensado para se transformar em algo concreto”, diz.

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio