Jovem enfrenta tipo raro de câncer

Ronan Martins de Oliveira, de 23 anos, está na segunda fase da quimioterapia

Jovem enfrenta tipo raro de câncer

Ronan Martins de Oliveira, de 23 anos, está na segunda fase da quimioterapia

Depois do Outubro Rosa, agora é a vez do Novembro Azul. Durante este mês, grande parte das cidades brasileiras aderem à campanha sobre a importância dos cuidados com doenças que atingem os homens, entre eles, o câncer. O jovem Ronan Martins de Oliveira, de 23 anos, enfrenta a doença há seis meses, quando descobriu um tumor maligno no testículo. Ele passou pela cirurgia em julho e na próxima semana já inicia o segundo ciclo da quimioterapia.

O câncer de testículo é um tumor menos frequente e é considerado raro. Porém tem o agravante de atingir, na maioria dos casos, pessoas jovens em idade produtiva. Dentre os tumores malignos do homem, apenas 5% ocorrem nos testículos. A doença atinge principalmente homens entre 15 e 50 anos de idade. A incidência é que existam entre três a cinco casos para cada grupo de 100 mil indivíduos. Oliveira passou a sentir as dores do tumor em maio deste ano, quando decidiu buscar ajuda no Hospital Dom Joaquim, bairro onde vive há 10 anos.

“No início pensaram que era uma hérnia, daí fui encaminhado a um urologista que pediu um ultrassom. Não tinha condição de fazer pelo SUS, pois a fila de espera era um pouco longa, por isso, decidi fazer particular. A partir daí, descobriram o tumor. Esperei cerca de 15 dias e já fiz a cirurgia para a retirada do testículo”, conta.

Ele recebe o apoio da namorada, Gisele Coelho dos Santos, com quem está junto há cinco anos e sempre o acompanha nas sessões de quimioterapia, além do apoio da avó, Maria Santa Lopes Martins, de 72 anos, com quem vive desde pequeno. “Foi um choque quando a gente descobriu. Eu fui junto e o médico me contou a situação, parece que o chão se abriu debaixo dos meus pés. Mas eu fui forte, me apeguei em Deus, tenho muita fé que ele vai passar por isso e vai superar essa fase”, declara a aposentada.

Alguns meses depois da cirurgia, Oliveira iniciou a quimioterapia em Blumenau, já que em Brusque não é possível fazer o procedimento. Ele começou o primeiro ciclo do tratamento que deve evitar que o câncer se espalhe para outros orgãos. Foram cinco dias recebendo os medicamentos no Hospital Santo Antônio, e mais duas injeções nas semanas seguintes. A partir da próxima segunda-feira, ele já entra na segunda e última fase do procedimento.
“É a mesma coisa que da primeira vez, então já estou mais relaxado. Tive medo no início, por causa dos efeitos colaterais da quimioterapia. Porém, eu sofri mais nos primeiros dias, pois não conseguia comer, tinha muitas náuseas, passava mal, mas depois fui me adaptando”, explica.

De acordo com Oliveira, apesar da cidade não oferecer o tratamento de quimioterapia, a prefeitura sempre disponibiliza ônibus para o local. “Ali a gente conhece muita gente. Eu sou um dos mais novos que fazem o tratamento em Blumenau, a maioria é mais velha. Tem alguns homens também, alguns com outros tipos de câncer, uns mais avançados e outros menos. O melhor é que possibilita a troca de experiências entre pessoas que estão passando pela mesma situação”, conta.

Ele mora em Brusque desde pequeno. Ele nasceu em Gaspar e foi criado pela mãe e também pela avó, Maria, com quem vive até hoje. Na adolescência foi jogador de vôlei e ganhou uma bolsa de estudos para estudar no Colégio Cônsul Carlos Renaux. Ele revela que após o tratamento, vai dar continuidade aos planos para o futuro. “Penso em fazer uma faculdade, só não não decidi a área que devo seguir, estou entre Educação Física, Direito e Jornalismo. Mas a primeira coisa que quero é conseguir um emprego, trabalhar e tocar a minha vida para frente”, declara.
A campanha

A campanha Novembro Azul é conhecida no mundo todo desde 2003. Ela surgiu com o propósito de unir o Dia Mundial do Diabetes e o Dia Mundial de Combate ao Câncer de Próstata, ambos comemorados no mês de novembro. Para o urologista, Humberto Teruo Eto, o grande propósito é destacar a importância da procura dos homens por ajuda médica.

“Apesar de todas as informações, ainda existem homens que oferecem resistência a procurar um médico e fazer os exames preventivos. Mas a verdade é que isso é de extrema importância para que no futuro, esse homem não sofra de uma doença que vai causar dor tanto a ele quanto a sua família”, explica.
Segundo o médico, a Campanha Novembro Azul fala muito em prevenção do câncer de próstata pois é é tipo mais frequente que atingem os homens. Porém, neste mês a busca é muito maior do que prevenir somente esse tipo doença. “Apesar da incidência ser bem menor, temos também o câncer no testículo e no pênis. Além disso, devemos chamar a atenção para outras doenças, como o diabetes e problemas cardiovasculares”, revela.

Na tarde desta terça-feira, 4, a Secretaria de Saúde se reuniu para definir a programação que será feita durante o Novembro Azul. O Hospital de Azambuja vai realizar uma série de atividades voltadas aos seus colaboradores, pacientes e a comunidade em geral. Entre as ações programadas estão distribuição de laços alusivos à campanha, cartazes e flyers de prevenção, assim como palestras com especialistas.

As palestras ocorrerão nos dias 26, com o radiologista do Centro de Imagem do Hospital Azambuja, Gustavo Correia, e no 27, com o urologista Diogo E. de Souza, também do corpo clínico do hospital. A entrada é gratuita e iniciam às 14h30min, no auditório do Centro de Imagem.

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio