Motociclista é acusado de agredir mulheres com tapas na bunda

Ação foi relatada por cinco mulheres nos últimos sete dias, no bairro Dom Joaquim

Motociclista é acusado de agredir mulheres com tapas na bunda

Ação foi relatada por cinco mulheres nos últimos sete dias, no bairro Dom Joaquim

A ação é sempre a mesma. Um homem de cerca de 30 anos, numa Biz preta, passa devagar por mulheres que caminham sozinhas na rua, dá um tapa forte na bunda e sai acelerando. A ação, que dura segundos, vem acontecendo há pelo menos uma semana no bairro Dom Joaquim, após às 18 horas, e já vitimou pelo menos cinco mulheres.

O último caso que o Município Dia a Dia teve acesso foi por volta das 18h15 de quarta-feira, 15, com uma mulher de 31 anos. Ela estava indo ao supermercado quando foi agredida pelo homem. “Ele veio devagar, chegou por trás, deu o tapa e acelerou a Biz. Não diz nada e nem olha depois”, relata a vítima, que comunicou a Polícia Militar após a ação. A mulher conta que chegou a mancar com a força do tapa e que ficou em pânico. “Não ando mais sozinha na rua, fiquei com muito medo”.

Outro caso caso aconteceu com uma mulher de 44 anos na terça-feira, 14, no início da rua Beira Rio. Naquele dia, depois das 18h, ela foi caminhar, como sempre faz, e quando percebeu o homem havia lhe dado um tapa na bunda. “Eu nem escutei o barulho da moto. A pancada é muito forte que até deixou marcas. Berrei, fiquei com medo e voltei pra casa rápido pra mostrar para o meu marido”, diz.

Segundo a vítima, o homem “deve ser alguém que não tem o que fazer”. Ela espera que após a visibilidade do fato ele tenha vergonha e pare com isso. “É algo estranho e constrangedor”.

Na sexta-feira, 10, uma mulher de 34 anos também foi vítima do motociclista. Ela saiu de casa às 18h30 para caminhar na rua Beira Rio, quando próximo ao depósito de areias Hort, numa área em que não há residências, foi atingida na bunda pelo homem, que veio na contramão. “Quando vi, ele estava em cima, foi muito rápido, fiquei paralisada. Com a força do impacto, a garrafa de água que estava na minha mão caiu no chão”, relata.

Conforme as vítimas, o motociclista passa com uma Biz preta, aparentemente nova, e com capacete escuro. Tem entre 1,70 metro a 1,80m, cerca de 30 anos, é moreno e magro. Nas ações ele estava com uma bermuda tactel florida e com camiseta mescla. As mulheres não conseguiram identificar a placa da moto.

Ação similar
No começo do ano, uma mesma ação foi registrada no Centro de Brusque. Uma leitora que passava com seu veículo na rua Rua Paes Leme viu um motociclista com as mesmas características dando um tapa na bunda de uma mulher.

Diante da situação, a leitora seguiu a motocicleta e conseguiu fazer algumas imagens na rua Prudente de Moraes, também no Centro. No entanto, a placa não pôde ser identificada pela baixa qualidade da foto.

Infração
A ação pode ser enquadrada como uma contravenção penal (infração de menor potencial ofensivo) de importunação ofensiva ao pudor, segundo o delegado Ricardo Marcelo Casarolli, titular da Delegacia de Proteção à Criança, ao Adolescente, à Mulher e ao Idoso de Brusque (Dpcami). Até agora não foram registrados boletins de ocorrência referentes ao fato.

O delegado diz que a situação é atípica e delicada, já que não chega a ser um ato libidinoso. No entanto, ele ressalta que as vítimas devem registrar boletim de ocorrência e fazer o exame de corpo de delito. “Não sei qual a intenção dele, mas provavelmente não é agredir e sim fazer essa importunação ao pudor. Mas daqui um pouco pode exagerar e derrubar a mulher e pode ser enquadrado como lesão corporal”, explica.

Casarolli destaca que as mulheres devem registrar o BO para que se consiga identificar o suspeito. O delegado diz que por mais insignificante que possam parecer as informações, podem auxiliar a polícia. “Daqui um pouco ele é flagrado e acaba sendo abordado pelos policiais ou o sistema de monitoramento pode identificá-lo”.

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio