Observatório Social de Brusque apresentará plano de fiscalização para prefeitura

Órgão busca participação mais ativa na supervisão dos contratos; MP-SC chegou a fazer recomendações

Observatório Social de Brusque apresentará plano de fiscalização para prefeitura

Órgão busca participação mais ativa na supervisão dos contratos; MP-SC chegou a fazer recomendações

No início de julho, o Observatório Social de Brusque (OSBr) contratou um consultor de licitação que irá acompanhar mais assiduamente as compras e a execução dos contratos com os fornecedores.

De acordo com Evandro Gevaerd, diretor-executivo da entidade, o profissional apresentará ao órgão um plano de verificação das compras da prefeitura desde o lançamento do edital até a compra dos materiais. A partir de então, o plano será apresentado à administração municipal para apreciação e eventual firmamento de uma parceria mais estreita.

Leia também:
Confira produção dos vereadores de Brusque no primeiro semestre de 2018

Servidora ganha na Justiça redução de carga horária para cuidar de filho com paralisia cerebral

“Vamos tentar estabelecer, junto com a prefeitura, uma regularidade na questão de fiscalização das contas públicas. Temos muito a melhorar, a prefeitura fica muito vulnerável a fornecedores que podem ser de má-fé. Ainda não tivemos a oportunidade de desenvolver um trabalho criterioso para ajudá-los a corrigir certas coisas.” Para Gevaerd, o ideal seria que o município recebesse materiais apenas em dias e horários específicos, facilitando o acompanhamento efetivo do órgão.

“Já acompanhei situações em outras administrações quando uma professora teve que receber móveis. Ela não tinha a especialidade de avaliar a qualidade com muita profundidade, só conseguia ver o que era bom ou ruim de acordo com o conhecimento mais comum. Nem sempre a prefeitura se mostra tão preocupada com isso”, conta.

O Observatório também pretende organizar ações nas quais os contratos de obras no município serão “traduzidos” para a linguagem coloquial, cotidiana, e distribuídos para a população da região, que poderá também poderá fiscalizar a obra. Diante de reclamações, serão elaborados relatórios com o fiscal de contrato designado pela prefeitura para verificar as medidas cabíveis.

De acordo com o vice-prefeito Ari Vequi, há tratativas neste sentido entre o OSBr e o Secretário de Governo e Gestão Estratégica, William Molina, que está em Karlsruhe, Alemanha em comitiva pelo projeto 50 Parcerias pelo Clima.

Recomendações do MP-SC
Um inquérito arquivado pelo Ministério Público em 2017 chegou a avaliar o cumprimento do artigo 67 da Lei n. 8.666/93, que trata da obrigação da administração pública
implementar meios efetivos de fiscalização da execução dos seus próprios contratos.

Leia também:
Homem armado ameaça mulheres em casa de massagem, em Blumenau

Complexo de Azambuja instala 16 câmeras de monitoramento para coibir crimes

“Estamos designando funcionários para áreas específicas e para conferirem os contratos. Mas não podemos designar um fiscal por contrato, como chegou a ser proposto pelo Ministério Público. É inviável”, relata o vice-prefeito.

Na ocasião, chegou a ser elaborado um Termo de Ajustamento de Conduta, mas o município optou por não assiná-lo, por julgar algumas medidas inviáveis. De acordo com o promotor Daniel Taylor no texto da promoção de arquivamento, as cláusulas eram razoáveis e o cumprimento poderia poupar a prefeitura de problemas administrativos referentes a contratos de produtos, obras e serviços.

As medidas propostas eram:

  • Designação de fiscais para todos os contratos assinados pelo Município, por atos administrativos específicos para cada caso;
  • Publicação desses atos no local de praxe e no site do município;
  • Disponibilização do contato telefônico e e-mail dos fiscais mediante publicação na internet e no mural do município;
  • Estruturação e publicação de um quadro geral, periodicamente atualizado, dos servidores que desempenham a função de fiscal, também na internet e no mural do município;
  • Criação, mediante ato normativo adequado, de fluxos e rotinas de comunicação entre o fiscal, o responsável pelo controle interno, o secretário da pasta correspondente e o prefeito, observando o registro dos acontecimentos em documento formal, escrito,
    datado e assinado;
  • Estruturação e preservação desses registros;
  • Contratação, quando necessária, especialmente nas obras e investimentos de vulto, mediante prévia licitação, de empresa destinada a auxiliar o fiscal em sua tarefa;
  • Reunião da documentação que sustenta a atestação do cumprimento do contrato nos
    autos do processo de fiscalização do pagamento, bem como da nota fiscal/fatura,
    evitando a utilização de simples carimbos ou fórmulas padronizadas de atestação;
  • Observância, quando do recebimento de obras, produtos e serviços, das informações
    e sugestões prestadas pelo fiscal;
  • Verificação da existência de expedição da atestação pelo fiscal e a cobrança de comprovação por parte da empresa quanto à regularidade trabalhista e previdenciária antes de efetuar qualquer pagamento no caso de descumprimento das obrigações trabalhistas por parte da empresa, a rescisão do contrato ou a concessão de prazo para a regularização da falha, se possível.

Na promoção de arquivamento assinada em 9 de julho, Taylor escreve ainda que não há como a Promotoria de Justiça forçar a administração municipal a adotar as medidas do Termo de Ajustamento de Conduta. Só é possível exigir o cumprimento dos deveres previstos na Lei de Licitações.

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio