Pelo menos quatro partidos de Brusque são enquadrados na cláusula de barreira

PCdoB, PRP, Patriota e PTC ficarão sem tempo de propaganda e sem verba do fundo partidário

Pelo menos quatro partidos de Brusque são enquadrados na cláusula de barreira

PCdoB, PRP, Patriota e PTC ficarão sem tempo de propaganda e sem verba do fundo partidário

Dos 14 partidos que não atingiram número suficiente de candidatos eleitos nesta eleição e foram enquadrados na cláusula de barreira, pelo menos quatro são ativos em Brusque.

PCdoB, PRP, Patriota e PTC ficarão sem tempo de propaganda gratuita no rádio e na TV e sem verba do fundo partidário em 2019, conforme a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) aprovada pelo Senado em 2017.

Veja também:
PT pede à Justiça Eleitoral mandados de busca e apreensão na casa de Luciano Hang e na Havan

Antigo Casarão da Saúde, no Centro de Brusque, é demolido

Prefeitura estuda terceirização da Fenarreco nos próximos anos

Com essas restrições, a tendência natural é que alguns partidos sejam extintos ou façam fusão entre si, já que continuar as atividades sozinho ficará mais difícil.

O presidente do Partido Trabalhista Cristão (PTC) de Brusque, Aníbal Boettger, diz que os membros da sigla ainda não conversaram sobre o assunto. Uma reunião deve ser realizada em novembro. “Vai ser mais difícil manter o partido, eu acredito na extinção. Não vou me manifestar pela manutenção”, diz.

Os vereadores Paulo Sestrem e Cleiton Bittelbrunn, ambos do PRP, também não foram informados sobre os rumos do partido. Sestrem afirma que uma conversa sobre o tema também deve ser realizada em novembro.

Ele descarta, a princípio, uma mudança de partido. Nos bastidores, chegou-se a cogitar sua ida para o Partido Democrático Trabalhista (PDT), porém, ele nega. “Por enquanto, permaneço no PRP. Não tenho nem expectativa de mudança”, diz.

Pensamento diferente é o do vereador Marcos Deichmann, do Patriota. Ele diz que já vem com a ideia de mudar de partido desde o ano passado, mas ainda não o fez para não correr o risco de perder o mandato na Câmara de Vereadores.

Com o Patriota afetado pela cláusula de barreira, a mudança de sigla volta a ser cogitada. “Essa semana vou conversar com o partido para ver como vai ficar. A questão dos recursos do fundo pra mim é indiferente pois não aceitei verba partidária, não concordo com isso. A mudança de partido é uma ideia, mas ainda não procurei ninguém”.

Atividades normais
Diferente dos demais partidos da cidade, o presidente do PCdoB, Sidnei Pavesi, diz que a sigla não será atingida pela cláusula de barreira. “Em Brusque, o PCdoB nunca recebeu as verbas via fundo partidário, não afeta em quase nada. Sei que afetaria a nível estadual, mas municipal o partido se mantém com as doações de filiados”.

De acordo com ele, o partido é bastante estruturado, tem dinheiro em conta e, por isso, seguirá normalmente com suas atividades no município.

Jocimar dos Santos é morador de Brusque e presidente estadual do Democracia Cristã (DC). Segundo ele, a nível estadual o partido não deve sentir as consequências da cláusula de barreira, já que também nunca recebeu recursos do fundo partidário e o tempo de rádio e TV era de apenas oito segundos.

Veja também:
Rua de acesso à ponte do Rio Branco será alargada em 2019

Procurando imóveis? Encontre milhares de opções em Brusque e região

PM registra três assaltos em um mesmo dia, em Blumenau

“Para nós do estado não muda em nada. Vamos continuar normalmente. Teremos uma reunião nacional do partido em Minas Gerais e lá vamos discutir as estratégias, principalmente, a nível nacional”, diz.

Sobre a cláusula de barreira
A cláusula de barreira visa reduzir o número de agremiações na Câmara Federal.

Só tem direito a fundo e ao tempo de propaganda a partir do próximo ano o partido que recebeu ao menos 1,5% dos votos válidos nas eleições de 2018 para a Câmara, distribuídos em pelo menos um terço das unidades da federação (nove unidades), com um mínimo de 1% dos votos válidos em cada uma delas.

Também pode ter acesso aos recursos o partido que elegeu pelo menos nove deputados federais, distribuídos em um mínimo de nove unidades da federação.

As exigências da cláusula de barreira são gradativas até 2030.