Suspensão da emissão de passaportes prejudica agências do setor em Brusque

Com problema, clientes ficam com medo e cancelamentos são mais prováveis

Suspensão da emissão de passaportes prejudica agências do setor em Brusque

Com problema, clientes ficam com medo e cancelamentos são mais prováveis

Está suspensa, desde o dia 22 deste mês, a emissão de passaportes no Brasil por falta de previsão orçamentária nos gastos do governo federal. Este fato, aliado à famosa falta de planejamento de muitos brasileiros, tende a causar transtornos para quem planeja ou já comprou pacotes de viagens.

Pessoas do ramo de Brusque do turismo relatam que os problemas ocasionados pela suspensão da emissão devem aparecer nos próximos dias. Muitos compram pacotes para viagens internacionais e deixam para fazer o documento depois.

“Temos vários passageiros que já estão com agendamento”, comenta Roberto Tomasoni, proprietário da Tomasoni Viagens e Turismo. Como não existe uma data para que os passaportes voltem a ser confeccionados, eles devem ser prejudicados.

Na Sierratur, já teve cliente que ligou para se informar, com medo de que não conseguirá viajar. O proprietário da agência, William Munch, diz que os problemas na emissão do documento de viagem têm se tornado cada vez mais comuns e os agentes têm de lidar com essa situação para não prejudicar ainda mais os clientes.

A coordenadora da Havan Viagens, Joseane Nuss, diz que o impacto é sentido fortemente com restrições como esta. Ela explica que muitos países europeus exigem que o passaporte tenha validade por, pelo menos, seis meses depois da data de embarque.

As três empresas consultadas por O Município não registraram problemas até o momento por causa da restrição. No entanto, a decisão ainda é recente e a expectativa é que, se persistir, inevitavelmente haverá adiamentos e cancelamentos.

Dói no bolso
Em última instância, o consumidor é o mais prejudicado pelo contingenciamento dos passaportes. Caso não consiga o documento em tempo, ele é obrigado a cancelar ou adiar as passagens aérea e as reservas de hotéis.

As companhias aéreas e os hotéis costumam cobrar multas nestes casos. “Não adianta reclamar com a companhia aérea”, lamenta Tomasoni. Nesses casos, as viagens devem ficar mais caras para os brasileiros.

Solução à vista
A Polícia Federal – responsável pela emissão de passaportes no país – emitiu nota, no início da semana, informando que os agendamentos após o 27 de junho estariam suspensos. “A medida decorre da insuficiência do orçamento destinado às atividades de controle migratório e emissão de documentos de viagem”, comunicou.

Na prática, significa que a Lei Orçamentária do governo federal não prevê o volume de dinheiro necessário para o serviço. O Ministério do Planejamento diz que um projeto de lei com suplementação orçamentária deverá ser votado em breve.

A situação deve se normalizar em algumas semanas, segundo o Ministério do Planejamento. A suspensão da emissão de passaportes não é novidade. No ano passado também ocorreu, e gerou vários problemas para diversas pessoas, conta a coordenadora da Havan Viagens.


Polícia Federal esclarece
1) Quem foi atendido nos postos e teve o atendimento completado (confirmado) até o dia 27: recebe o passaporte normalmente.

2) Quem está agendado, pode comparecer na data prevista, mas não há prazo para confecção do documento e posterior entrega.

3) Quem pagou a taxa, mas não agendou, pode agendar e será atendido normalmente, mas não há data para confecção do documento e posterior entrega.

4) A renovação de passaporte não é obrigatória. Só renove se for viajar.

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio