Brusque Futebol Clube tem R$ 90 mil da verba da Copa do Brasil bloqueados

Atrasos em pagamentos trabalhistas motivaram o bloqueio, clube já regularizou débitos

Brusque Futebol Clube tem R$ 90 mil da verba da Copa do Brasil bloqueados

Atrasos em pagamentos trabalhistas motivaram o bloqueio, clube já regularizou débitos

Dos R$ 525 mil que o Brusque Futebol Clube recebeu pela participação nesta edição da Copa do Brasil, R$ 90 mil ficaram bloqueados por decisão judicial. O valor é referente a atrasos no parcelamento de dois Atos Trabalhistas que o quadricolor paga mensalmente.

O Ato Trabalhista é um acordo firmado entre o clube e a Justiça, no qual a diretoria concorda em pagar suas dívidas com ex-jogadores mensalmente em cada uma das regiões dos atletas – depois, estes valores são redistribuídos aos credores. Atualmente o Bruscão paga cerca de R$ 9 mil mensais em Santa Catarina e R$ 12,5 mil no Rio Grande do Sul.

Veja também:
Unimed anuncia construção de hospital em Brusque

Prefeitos querem garantia de verbas em parceria para manutenção de rodovias estaduais

Obras na rua Otaviano Rosa serão retomadas nesta semana, diz Prefeitura de Brusque

 

O bloqueio de R$ 90 mil foi, na verdade, resultado de uma articulação jurídica para que o confisco não fosse ainda maior. Em um primeiro momento a Justiça havia decretado o bloqueio integral do valor recebido pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF). A decisão era referente a dívida com um jogador específico, o atacante Leandrão, que jogou no Brusque em 2012 – período em que o clube foi presidido por Mauricy Pereira de Souza.

Mas, após uma audiência com o juíz da Vara Trabalhista, o clube conseguiu explicar sobre os pagamentos dos Atos Trabalhistas. “Seria injusto pagar todo o dinheiro a só um jogador, se existem mais a receber. Por isso foi aceitado o bloqueio deste valor dos atrasados”, explica o presidente do clube, Danilo Rezini.

Segundo afirma Rezini, a decisão, embora tenha sido de bloqueio de recursos do Brusque, acabou por ser positiva para o clube. “Desta forma podemos seguir honrando os compromissos com os Atos Trabalhistas. De outra maneira, íamos acabar descumprindo os acordos e seria pior”.

Apertando o cinto
O cenário financeiro do Brusque para o segundo semestre é nebuloso, nas palavras do presidente. O clube terá que apertar o cinto para conseguir disputar o Campeonato Brasileiro Série D. “Vamos dispensar os jogadores que têm contrato encerrado ao fim do estadual e avaliar os que ficam. Faremos contratações, mas com orçamento baixo”.

Veja também:
Prefeitura fará reativação dos chafarizes da Praça Gilberto Colzani e Sesquicentenário

Procurando imóveis? Encontre milhares de opções em Brusque e região

Caminhão colide em passarela e BR-101 está em meia pista no sentido sul, em Navegantes

Em coletiva de imprensa ainda no início de fevereiro, a diretoria anunciou que o clube deveria fechar o semestre com cerca de R$ 1 milhão em dívidas. “Isso foi exposto aos nossos patrocinadores, e nos foi recomendado economizar no segundo semestre para que tenhamos um 2020 mais confortável”.

Apesar da projeção ruim em curto prazo, para os próximos anos o horizonte é melhor. “O estádio é iminente. Nos próximos dias teremos em mãos a documentação completa da segunda etapa para termos, definitivamente, o terreno sob nossa administração. Com isso teremos estrutura, campos de treino e possibilidade de crescimento”, afirma o presidente.

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio