Em um cenário de competitividade e inovação, as empresas buscam cada vez mais profissionais qualificados, inovadores e capazes de solucionar problemas. Por isso, buscar o aprendizado, especialização e qualificação como profissional é essencial tanto para aqueles que procuram seu primeiro emprego quanto para quem quer uma recolocação no mercado de trabalho.

Para Édio Bertoldi, diretor da consultoria em recursos humanos e gestão de pessoas Tempo e Trabalho e vice-presidente da Associação Brasileira de Recursos Humanos – seccional Santa Catarina (ABRH-SC), os profissionais que estão buscando uma colocação no mercado de trabalho – seja um primeiro emprego, transição de carreira ou mudança de área – devem se atentar a três pontos essenciais: investimento na formação, relações construtivas na trajetória profissional e postura durante o processo seletivo.

Veja também:
Brusque tem centenas de vagas de emprego abertas em fevereiro; veja lista

Conheça Bryan Behr, cantor brusquense que já ultrapassou a marca de 350 mil plays no Spotify 

Falta de manutenção no cemitério Parque da Saudade gera reclamações

 

“Saber onde está e onde quer chegar é muito importante”, pontua ele, que afirma também que ter o currículo e a documentação atualizados demonstra a preparação e o perfil do profissional.

Antes de iniciar a busca pela recolocação no mercado profissional, o candidato deve fazer uma análise de sua formação. Isso não significa apenas buscar cursos, certificados e diplomas: “É o quanto a pessoa está investindo em si mesma. Para esse auto-investimento, nem sempre precisa de renda, mas sim de tempo”, explica.

Investimento em si mesmo
Dedicar tempo para buscar conteúdo e investir em si mesmo é um diferencial. Conforme Schirlei Knihs Freitas, gerente de Recursos Humanos da Zen e presidente da Associação Brasileira de Recursos Humanos (ABRH) – seccional Brusque, existem inúmeras possibilidades, conteúdo gratuito e de qualidade na internet, nas redes sociais. Ela cita como exemplo o YouTube, onde é possível encontrar diversos vídeos e conteúdo de forma gratuita.

O aprendizado pela internet, porém, nem sempre garante ao candidato um certificado ou documento que comprove que o curso foi realizado. Como, então, utilizar isso a seu favor nas entrevistas? “Pode não estar no currículo, mas a entrevista é o momento para falar como o candidato se especializa, se procura formação e qualificação, mesmo que não possua um documento comprovando”, explica a gerente de RH.

Outra qualificação importante para quem busca uma vaga de emprego é o conhecimento de outros idiomas. “Muitas vezes, não ter domínio de outros idiomas pode travar o crescimento na empresa”, explica.

Primeiro emprego
Para pessoas que ainda não possuem experiência de trabalho, não é comum ter portas fechadas justamente pelo fato de ainda não possuírem experiência. Segundo Schirlei, quando alguém procura o primeiro emprego, é importante ressaltar no currículo a formação e a qualificação profissional, e também como busca se desenvolver na carreira.

Veja também:
Vereadores tentam esconder que fizeram parte do governo Paulo Eccel 

Procurando imóveis? Encontre milhares de opções em Brusque e região

Agente de trânsito de Blumenau é condenado a 11 anos e oito meses de prisão

Atualmente, segundo Bertoldi, o mercado olha muito para a trajetória profissional do candidato, procurando por pessoas que construíram relações positivas pelos lugares onde passou. Além disso, a postura do profissional perante o processo seletivo é um diferencial: “Às vezes, mesmo sem experiência, o candidato se mostra muito esforçado durante o processo”.

Um exemplo de como se desenvolver profissionalmente, segundo ela, é o trabalho voluntário. “Particularmente, levo muito em consideração se a pessoa registra no currículo que fez ou faz trabalho voluntário. O voluntariado é uma forma de construir novas habilidades, vivenciar experiências diferentes, evoluir como pessoa e como profissional.”

Quem ainda está na universidade pode também tentar fazer estágios, obrigatórios e não-obrigatórios, para ter a experiência de vivenciar na prática o dia a dia profissional. “Na graduação, a gente aprende a teoria. Mas a prática, o trabalho em equipe, isso é no estágio”, pontua.

Deixe uma resposta