Conteúdo exclusivo para assinantes

Câmara de Brusque é a segunda da região com maior custo médio por funcionário

Pesquisa do OSBr aponta que Legislativo tem o custo médio mensal de R$ 11,3 mil por servidor, incluindo vereadores

Câmara de Brusque é a segunda da região com maior custo médio por funcionário

Pesquisa do OSBr aponta que Legislativo tem o custo médio mensal de R$ 11,3 mil por servidor, incluindo vereadores

O Observatório Social de Brusque (OSBr) fez um levantamento do número de funcionários e salários pagos pelas Câmaras Municipais catarinenses. A pesquisa apontou que o Legislativo de Brusque é o que tem o segundo maior custo médio mensal por funcionário, incluindo os vereadores.

A pesquisa analisou as folhas de pagamento das Câmaras das dez cidades mais populosas da região do Vale do Itajaí e Litoral Norte, durante os meses de abril e maio de 2017. Conforme o levantamento, a Câmara de Itajaí apresenta o maior custo médio por funcionário, que é de R$ 11,4 mil.

Em seguida vem o Legislativo brusquense, que possui um gasto médio de R$ 11,3 mil mensais por servidor. Para composição da média dos gastos, foram somados os vencimentos e encargos sociais dos meses de abril e maio, chegando-se à média desses dois meses.

Com 38 servidores – incluindo os vereadores, o gasto médio com folha de pagamento da Câmara de Brusque é de R$ 430,6 mil mensais.

As informações apuradas na pesquisa demonstram que, por exemplo, Joinville possui 267 servidores e vereadores, e paga uma média mensal de R$ 7,6 mil em salários e encargos a cada um deles. Blumenau, uma das maiores cidades do estado, possui 173 funcionários em sua Câmara, e o custo médio de cada um é de R$ 9 mil mensais.

O Observatório explica que é possível que a média seja superior à apresentada, pois não foram computadas as despesas de férias e 13º salário. Além disso, no caso de Brusque não foi computado o salário de um servidor da prefeitura que é cedido ao Legislativo.

Foram analisados dados das Câmaras de Balneário Camboriú, Blumenau, Brusque, Camboriú, Gaspar, Itajaí, Jaraguá do Sul, Joinville, Navegantes, Rio do Sul, e também de Botuverá e Guabiruba.

Avaliação dos dados da pesquisa

Para os voluntários do Observatório que realizaram a pesquisa, embora Brusque tenha o segundo maior custo por servidor, a Câmara tem o menor índice de funcionários comissionados, garantindo, em tese, maior profissionalização das ações administrativas do Legislativo.

O diretor-executivo do OSBr, Evandro Gevaerd, avalia que, embora os custos por servidor em Brusque sejam mais elevados que das demais cidades da região, há justificativas para isso.

“Até porque aqui não tem assessor, são funcionários concursados, que tem mais tempo de serviço e acabam agregando alguns benefícios”, afirma.

“Mas por outro lado, o grau de profissionalização da nossa cidade é maior do que nas outras cidades”, diz, referindo-se ao fato de que a maior parte dos servidores da Câmara é de efetivos.

O presidente da Câmara de Vereadores, Jean Pirola (PP), afirma que não se surpreendeu com o resultado da pesquisa, e até imaginava que Brusque poderia figurar como primeiro lugar na lista do maior custo por funcionário.

“Os nossos funcionários têm uma carreira um pouco mais longa, no último concurso entraram cinco novos, mas todos os demais estão há pelo menos dez anos, então o salário deles tem a escala gradativa do funcionalismo, a progressão funcional”.

Pirola diz que, pelo fato da Câmara de Brusque ter menos funcionários e não ter assessores, a média salarial acaba por ser mais alta que de outras Câmaras.

Apesar do gasto médio mensal por funcionário ser um dos maiores, Pirola afirma que, ainda assim, a Câmara de Brusque é a que tem o menor orçamento entre as médias e grandes do estado.

Conteúdo exclusivo para assinantes

Quero assinar com preço especial
[Acesse aqui]

Sou assinante

Sou assinante do impresso,
mas não tenho login
[Solicite sem custo adicional]

Tire suas dúvidas, em horário
comercial, pelo (47) 3351-1980

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio