Conteúdo exclusivo para assinantes

Censo Agropecuário 2017 está em fase final na região de Brusque

IBGE realiza levantamento da produção para planejamento de políticas públicas no setor

Censo Agropecuário 2017 está em fase final na região de Brusque

IBGE realiza levantamento da produção para planejamento de políticas públicas no setor

O levantamento sobre a realidade agrícola na região de Brusque está na reta final. O prazo final para a coleta de dados do Censo Agro 2017 é até o fim de fevereiro, no entanto, os recenseadores do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) estão adiantados e devem terminar a pesquisa no início do mês.

A subárea de Brusque inclui, além do município-sede, Botuverá, Guabiruba (70% concluído), Nova Trento (100% finalizado), São João Batista, Major Gercino, Canelinha e Tijucas.

O coordenador de subárea do IBGE de Brusque, Ronaldo Luiz Pedroso, explica que a etapa final consiste na revisão do trabalho, investigação e validação de informações. “Em comparação com outros estados do Brasil, Santa Catarina está bem adiantado e na nossa região a realidade é semelhante”.

Os dados levantados até agora não podem ser revelados, já que segundo o coordenador, a pesquisa ainda está em andamento. “Pode-se dizer que se está construindo um retrato fotográfico da área agrícola do país”.

Pedroso destaca que nos mais de três meses de atividades foram poucas as dificuldades encontradas. Ele conta que a população tem recebido os profissionais muito bem. De acordo com o coordenador, foram poucas e pontuais as situações negativas, relacionadas principalmente a falta de conscientização em receber o recenseador.

Critérios para visita
O Censo Agropecuário, que tem o objetivo de levantar informações sobre as diferentes práticas agrícolas, formas de ocupação da área, manejo e conservação do solo, utilização de agrotóxicos, entre outras práticas, é realizado de dez em dez anos. A última edição foi em 2007.

O coordenador de Brusque diz que foram visitadas e estão sendo visitadas propriedades rurais que têm algum tipo de produção, seja para sustento próprio ou para comercialização. Propriedades com criação de animais como galinha, porco, gado e plantações de todos os tipos são pesquisadas.

O trabalho de campo está sendo realizada por cerca de dez pessoas: seis recenseadores e quatro supervisores. A coleta de dados iniciou no dia 1º de outubro e, de maneira preliminar, o resultado deve ser divulgado no meio do ano.

No Brasil, até o dia 2 de janeiro, 3,1 milhões de estabelecimentos já haviam sido visitados, o que representa 60,4% do total estimado. A expectativa é que até o fim de fevereiro 5,3 milhões de propriedades recebam os recenseadores para a coleta de dados.

Políticas no setor
Os prefeitos de Guabiruba e Botuverá, Matias Kohler e José Luiz Colombi, o Nene, respectivamente, avaliam que o levantamento do IBGE é fundamental para a elaboração de políticas públicas no setor.

“Estamos aguardando a finalização dos dados, pois com essa atualização poderemos ter um apanhado geral da situação agrícola na cidade”, diz Kohler.

Nene orientou os produtores rurais a passarem os dados reais, para um retrato fiel do setor em Botuverá. “Nos preocupamos em falar com os agricultores para que mostrem a realidade de suas propriedades”.

Conteúdo exclusivo para assinantes

Quero assinar com preço especial
[Acesse aqui]

Sou assinante

Sou assinante do impresso,
mas não tenho login
[Solicite sem custo adicional]

Tire suas dúvidas, em horário
comercial, pelo (47) 3351-1980

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio