Continuidade das obras gera embate na Câmara

Oposição diz que obras pararam na gestão Prudêncio; governo diz que elas já estavam paradas antes

Continuidade das obras gera embate na Câmara

Oposição diz que obras pararam na gestão Prudêncio; governo diz que elas já estavam paradas antes

Vereadores da base do governo interino e da oposição trocaram farpas, na sessão de ontem do Legislativo brusquense, sobre a continuidade das obras na gestão Roberto Prudêncio Neto (PSD), iniciada em 1º de abril. Para a oposição, todas as obras estruturantes estão paralisadas. O governo, por sua vez, alega que as obras já estavam paradas durante a gestão de Paulo Eccel, e também afirma haver falhas nos projetos.

A primeira a atirar foi a vereadora Marli Leandro, líder do PT. Ela disse que a maior parte das obras deixadas por Eccel estão paradas, e atribui isso ao governo interino. “E não foi isso que ele prometeu à população”, afirma.
Segundo a parlamentar, as obras dos PAC Nova Brasília, São Luiz e Poço Fundo; a pavimentação na rua Nova Trento; as calçadas na rua Azambuja; o Orçamento Participativo; as creches dos bairros Rio Branco e Santa Luzia e a ponte do Rio Branco estão paradas.

“A unidade de pronto-atendimento 24 horas, pelas informações que obtive, será paralisada também. A Vila Olímpica, nenhuma resposta às entidades, em 60 dias, essa é a nova cara de Brusque”, afirmou Marli, que foi acompanhada, no seu protesto, pelo colega de partido Valmir Ludvig.

Ludvig disse que o prefeito interino “fala demais”, mas que ainda não começou a governar a cidade. “Já que acharam o botão da sinaleira, pra piscar à noite, deviam achar o botãozinho do PAC, das obras, do Orçamento Participativo. Só se olha no retrovisor para fazer críticas, mas não apresenta nada de novo. Está na hora de governar de verdade, de assumir, enquanto está lá. Que governe, e fale menos”, concluiu.

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio