Eleição domina pauta de discussões na Câmara

Resultados do pleito de domingo foram o centro dos debates entre parlamentares na sessão de ontem

Eleição domina pauta de discussões na Câmara

Resultados do pleito de domingo foram o centro dos debates entre parlamentares na sessão de ontem

A maior parte dos vereadores utilizou seu tempo na tribuna, durante a sessão de ontem, para comentar os resultados das eleições gerais realizadas no domingo. O centro das atenções, é claro, esteve nos candidatos a deputado federal que são vereadores: Marli Leandro (PT) e Moacir Giraldi (PTdoB).

Giraldi agradeceu os votos recebidos (pouco mais de 15 mil), o que classificou como uma votação expressiva. “A população mostrou que não está contente, que quer mudança”, disse, destacando a votação feita em Brusque pelo candidato à presidência Aécio Neves (PSDB).

“Como oposição, represento a população, de outra forma não teria recebido todos estes votos. Com essa votação, vejo que estamos no caminho certo”.

Marli também comentou os resultados da eleição, na qual também ficou na faixa dos 15 mil votos. “Claro que fomos com objetivo de vencer, mas de qualquer forma, devemos agradecer os votos de confiança”, disse.
Ivan Martins (PSD), por sua vez, comemorou a vitória do governador Raimundo Colombo, que é de seu partido. Para ele, o resultado desta eleição é reflexo da insatisfação com o atual governo municipal. “Ficou demonstrado que o povo brusquense não está satisfeito com a atual administração. Não só a nível municipal, mas também uma demonstração de que o povo brasileiro não está contente com o governo federal”.
Votos dispersos

Já o vereador Felipe Belotto (PT) destacou as dificuldades de se fazer uma campanha a nível estadual, e criticou o que considerou uma dispersão de votos para candidatos de fora do município. “Esta foi uma eleição diferente, 68 mil brusquenses saíram de casa no domingo, para votar. E 46 mil votos foram dispersos para candidatos de fora. Havia votos na nossa região para eleger um deputado federal. Infelizmente, essa não foi a tese vencedora nas urnas”.

Belotto, que preside o PT em Brusque, também comentou os resultados ruins do partido. “Nas últimas três eleições o PT não foi bem. O que o partido precisa, com certeza, é entender essa onda anti-petista que aconteceu, para que se possa dialogar com a militância e com os setores que não vêm se sentindo representados pelo partido em nível nacional”.

Valmir Ludvig, também do PT, afirma que a eleição provoca uma reflexão para os políticos, no sentido de rever suas atuações. “Agora é a hora da discussão dos dois projetos (Dilma e Aécio), porque na hora que aparecerem os projetos de um e de outro, de forma clara, pode até mudar o resultado da votação na nossa cidade”.

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio