Conteúdo exclusivo para assinantes

Empresa deve ser contratada em fevereiro para iniciar reforma administrativa da Prefeitura de Brusque

Revisões e fusões de secretarias são cogitadas pela prefeitura; Fundações também devem sofrer alteração

Empresa deve ser contratada em fevereiro para iniciar reforma administrativa da Prefeitura de Brusque

Revisões e fusões de secretarias são cogitadas pela prefeitura; Fundações também devem sofrer alteração

O processo de reforma administrativa, anunciado pela Prefeitura de Brusque desde 2017, iniciará com uma avaliação técnica da estrutura e funcionamento atuais. Um processo licitatório para contratar uma empresa para fazer o levantamento deve ser aberto ainda fevereiro, pelas projeções do vice-prefeito, Ari Vequi.

O estudo antecede a formulação de proposta para oficializar a fusão de órgãos, extinção de cargos e revisão de atuação dos departamentos públicos. O processo também precisa de aval da Câmara de Vereadores antes de ser sancionado pelo prefeito Jonas Paegle. Desde a última reforma, afirma Vequi, o número de secretarias atuantes caiu de 20 para nove.

As revisões, segundo o vice-prefeito, devem servir para oficializar mudanças e decisões projetadas desde o ano passado. Para Vequi, a revisão deve ter pouco impacto no funcionamento e composição do governo, mas é um processo importante na reforma administrativa.

“A ideia é manter nossa estrutura atual, com, no máximo, 10 secretarias. Algumas medidas já existem no papel, mas precisamos oficializar isso e precisamos deste embasamento técnico para ser encaminhado para a Câmara.”

Entre as mudanças estruturais, ele indica a fusão e reorganização de secretarias geridas por um mesmo secretário. Um dos pontos que devem passar por análise durante o levantamento envolve a vinculação do setor de Turismo, hoje ligado à Secretaria de Desenvolvimento Econômico. A tendência é que ele seja migrado para setores ligados à Cultura ou ao Esporte. A fusão das três áreas também é cogitada.

Momento de revisão
As revisões devem influenciar o número de cargos para secretarias e fundações. Atualmente, dos 250 cargos existentes, 200 devem ser mantidos. Para o vice prefeito, o início do ano e dos ajustes orçamentários também serão levados em conta na composição do governo.

Vequi salienta a autonomia do prefeito em compor sua equipe de trabalho e evita projetar alterações devido ao período eleitoral. “Partimos de um princípio de ter secretarias com viés técnico, mas não podemos dar as costas para os partidos, mas isso é algo que ainda deve ser discutido e analisado.”

Outro fator que deve influenciar a composição, segundo Vequi, é a necessidade de um controle orçamentário mais preciso ao longo do ano. De acordo com ele, reuniões com secretários para definições de orçamento e ajustes dos serviços devem iniciar ainda neste mês.

Conteúdo exclusivo para assinantes

Quero assinar com preço especial
[Acesse aqui]

Sou assinante

Sou assinante do impresso,
mas não tenho login
[Solicite sem custo adicional]

Tire suas dúvidas, em horário
comercial, pelo (47) 3351-1980

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio