Feira do Livro reúne escritores brusquenses

Lançamentos de livros, bate-papos com autores e contação de histórias são algumas das atrações que vão até dia 2

Feira do Livro reúne escritores brusquenses

Lançamentos de livros, bate-papos com autores e contação de histórias são algumas das atrações que vão até dia 2

O auditório da Unifebe foi tomado por crianças das redes estadual e municipal que acompanhavam a contação de histórias – uma das atrações da 7ª Feira do Livro de Brusque -, ontem pela manhã. Os olhos curiosos das crianças não deixavam dúvidas de que a atividade é a preferida dos pequenos.

A contação de histórias é uma principais apostas da Feira do Livro, que ocorre na instituição de ensino até a terça-feira, 2. A professora do quinto ano da escola estadual João XXIII, Vanisia Barauna, diz que apesar de os seus alunos já terem mais idade, entrando na pré-adolescência, as histórias também cativaram. O sucesso maior, no entanto, é entre os pequenos, abaixo do terceiro ano. “Eu tenho uma filha do terceiro ano que adorou”, afirma a professora.

Ouvir as histórias de um contador é uma porta de entrada para o mundo da leitura para as crianças. A organizadora da Feira do Livro e escritora Lieza Neves conta que por meio de uma parceria com a Secretaria de Educação de Brusque as crianças visitam o espaço. São esperadas cerca de 400 crianças por período – manhã e tarde – até o fim do evento. Esta é uma oportunidade que os organizadores, contadores e escritores têm de capturar a atenção das crianças e transformá-los em leitores, o que poderá resultar em talentos, até mesmo, como escritores. Além de passar pela contação de histórias, os estudantes também participam de outras atividades, como o cinema Sesc e oficinas.
Novo local

Esta é a primeira edição da Feira do Livro que ocorre na Unifebe. No ano passado, o evento ocorreu na praça da Cidadania. Lieza diz que a intenção da organização sempre foi levar para um espaço fechado, por vários motivos. O principal deles é a segurança. Na praça, era necessária a contratação de um segurança, e o espaço também era pequeno. “Nós queríamos levar para o pavilhão da Fenarreco, no entanto, ele estava reservado para outros eventos até o fim do ano. A Unifebe já é parceira da feira desde seu início e, gentilmente, nos ofereceu seu espaço, que é ótimo, com toda a estrutura que necessitamos”, diz a escritora.

Neste ano, o evento também terá um dia mais de duração em relação ao ano passado. Segundo Lieza, a expectativa é que com isso haja maior presença de público. “Como teremos um dia a mais de programação, esperamos mais escolas e visitantes, e queremos que todos saiam inspirados pelo universo da literatura, em suas mais variadas formas”, afirma.
Programação diferente

A programação da 7ª Feira do Livro de Brusque foi selecionada pelo Conselho de Cultura da Fundação Cultural de Brusque (FCB). Os interessados puderam fazer inscrição até março. Então, a Câmara Temática de Literatura fez as escolhas com base no dinheiro disponível e conteúdo. “A programação sempre é diferente, são outros escritores e outros espetáculos”, diz Lieza.

Todos os dias à noite, haverá lançamento de livros. O primeiro a ser lançado foi “Passarinha”, escrito por Lieza e ilustrado por Silvia Teske, que também foi distribuído às crianças participantes. Ontem, Rafael Zen lançou o seu livro, chamado “Leito Invisível”. “Também teremos um workshow com a banda brusquense Etílicos e Sedentos, no sábado, dia 30, às 19h. A banda vai fazer um show de rock e falar sobre suas composições”, diz a organizadora.

Além disso, no domingo, 31, o Grupo Livre de Percussão, de Florianópolis, virá a Brusque para fazer uma apresentação, que terá entrada franca. O encerramento do evento terá um bate-papo com o ex-goleiro e escritor Valdir Appel.

Oportunidade de negócios

A Feria do Livro de Brusque também tem seu lado comercial. Na Unifebe estão instaladas dez empresas do ramo de livrarias, que trouxeram a Brusque vários títulos, desde infantis até adultos, e com várias faixas de preços.

Um dos expositores é Angelo Gelsleuchter, da Origem Literária, de Navegantes. Ele sempre participa da feira de Brusque e neste ano veio com vários livros, com preços que partem dos R$ 2. “A aposta é no preço, porque durante o dia as crianças vêm com o dinheiro contado”, diz. Segundo Gelsleuchter, “na praça da Cidadania vendia bem”, agora em outro ambiente ele não tem noção do potencial de vendas.

Fabiane Cristina da Silva, da Cultura Moderna, de Blumenau, veio para a Feira do Livro de Brusque pela primeira vez. “Achamos que o evento será promissor, porque trabalhamos aqui com escolas, que trazem os alunos, e também com os estudantes da faculdade”, afirma Fabiane.

Programação

A programação completa da 7ª Feira do Livro de Brusque pode ser conferida no site.

 

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio