Lea: muita costura e amor aos filhos

Erondina, a Lea, conta sua história de luta e dedicação

Lea: muita costura e amor aos filhos

Erondina, a Lea, conta sua história de luta e dedicação

Depois de anos de costura, Lea realizou o sonho da reforma – Crédito: Sarita Gianesini

Foi com o pai, seu Aleixo, que Erondina, mais conhecida como Lea, aprendeu que palavra é o que vale. E com a mãe, dona Emília, que Erondina aprendeu a costurar. Dona Emília, de quem lembro apenas dos cabelos brancos, ensinou as cinco filhas a costurar. Aos 22 anos, mãe da primeira filha, Josi, Lea começou a costurar para ajudar o marido nas despesas de casa.  
E na Singer própria, ela foi virando noites. Às vezes, eram dez vestidos de festa em uma semana. E quando chegava mais uma encomenda, ela dava um jeito, fazia mais um. Sem perceber, dormia sentada em frente à máquina, face repousando na mão. Mas não reclamava, ao contrário. 

– Sempre agradeci a Deus, por poder trabalhar em casa e cuidar dos meus filhos. 

E veio a caçula. Cristina. E o casamento da mais velha, ainda jovem, aos 19 anos. E o primeiro neto estava a caminho, esperado como o Menino Jesus. No nascimento de Anderson, a primeira dificuldade. 

– Não era meu filho, mas era como se fosse meu. Porque eu amei tanto aquela criatura, acima de tudo. E quando ele nasceu, precisei trabalhar mais ainda, porque a minha filha tinha que ir toda semana para Curitiba com ele. 

E da máquina, Lea tirava o que precisava para ajudar os pais do menino. Plano de saúde completo, fisioterapia, fonoterapia. E a segunda neta: Heloíse. Foi aí que a avó pegou o neto para morar na casa dela, aos dois anos. Depois de quatro anos de luta, Anderson partiu como anjo.  

**Leia o texto completo na edição de quarta-feira.
Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio