A cidade de Parma fica a mais ou menos 1h e 30 de Milão de carro, e foi assim que chegamos lá. A cidade e a Região Emilia Romana  são  famosas por seus produtos de origem protegidas, ou seja, produto que são feitos ali na cidade, como o Queijo Parmesão e o Prosciutto de Parma. O queijo parmesão verdadeiro é o Parmigiano italiano, produto DOP – Denominação de origem protegida – que não tem nada a ver com o queijo feito no Brasil, principalmente o ralado.

4 Madonne Caseificio dell’Emilia foi a escolhida para o tour e super recomendo.
Começa em uma sala com janelas de vidro para poder ver o processo se fabricação dos tanques com leite que vão se transformar no queijo. Para fazer um parmigiano são necessários mais de 500 litros de leite, para aproximadamente 35 quilos de uma ‘roda de queijo’. O parmigiano é feito com apenas três ingredientes: leite, coalho – pozinho feito com enzimas naturais extraídas do estômago do vitelo  que serve para talhar o leite – e sal.

Depois o queijo descansa na forma e então é  transferido para uma solução com sal por 20 dias. O sal só consegue alcançar a parte mais central do queijo durante o processo de envelhecimento. E na sua casca – cristalizada pelo sal – que é prensado o rótulo.

Após esse processo o queijo descansa em estantes de madeira por no mínimo 12 meses, podendo ficar até 36 meses. A sua cor muda de acordo com o tempo de envelhecimento e a oxidação da gordura presente no leite.

Depois de aprender sobre o processo a melhor parte, degustação do parmigiano de 12, 24 e 36 meses.

Há diversas fábricas na região que abrem para o tour, fiz a reserva pelo site. https://www.caseificio4madonne.it/ Preço com degustação 15,00 euros.

Queríamos também ter feito o tour do  Prosciutto  de Parma, mas como era feriado não conseguimos nenhum tour, assim seguimos para o centro da cidade, fica aqui a dica se você for visitar a região.

O site que eu havia enviado e-mail para reserva: http://www.contiprosciutti.it/tour-guidati/

Achei a cidade muito bonita, limpa, os prédios antigos todos bem conservados e pintados. As placas bem sinalizadas sobre os pontos turístico, só para estacionar que foi difícil. Como todo centro histórico a maioria das vagas são para os moradores, e não há muito espaço, então tivemos que estacionar a aproximadamente 1 km do centro.

Na Piazza del Duomo já estão as principais atrações da cidade: A Duomo di Parma, o Batistério e o Museu Diocesano.

Duomo di Parma

A parte de fora é de  estilo românico e lombarda, e esconde a sua beleza interna. Quando entrei fiquei encantada com as pinturas vividas por toda catedral e seus ricos detalhes. O destaque vai para a cúpula com a Assunção da Virgem Maria. Foi concluída no século XII tendo uma cúpula octogonal, algo incomum para época.

Batistério

Logo ao lado da catedral, de construção octognal foi iniciada no final do século XII em mármore rosa e creme, e os painéis esculpidos com formas de animais reais e imaginários. É um exemplo arquitetônico que cruza o românico e o gótico em Itália. No interior o que chama a atenção é o teto, com pinturas das representações das estações do ano e dos signos zodiacais. Um pequeno museu com uma coleção de artefatos antigos e medievais conta um pouca  das origens e a história da cidade. E ao centro a pia batismal.

Museu Diocesano

Um pequeno museu com uma coleção de artefatos antigos e medievais que conta um pouca um pouco das origens e da história da cidade. É aqui que você deve comprar  a entrada para o Batistério e Museu. Entrada 8,00 euros.

Saindo da praça e seguindo a pé em um bonito caminho até a próxima atração

Palazzo della Pilotta

Uma imponente construção, cercada por uma área verde. Foi residência dos Farneses que governaram Parma por quase 200 anos, hoje abriga o Museu Nacional de Arqueologia, Galeria de Artes, Teatro Farnese e a Biblioteca Palatina.

Biblioteca Palatina, eu queria ter visitado pois, tenho um fraco por elas porém, como era feriado estava fechada. Fundada em 1761 que possui uma importante coleção de livros e manuscritos do século XV ao XIX

Teatro Farnese, este estava aberto, e achei muito bonito e bem diferente dos que eu já visitei. Construído com materiais leves como madeira e pinturas em gesso. Foi bombardeado durante a Segunda Guerra Mundial e foi todo reconstruído com os mesmos materiais da construção original em 1950.

Entrada 10,00 euros.

Eu ainda queria provar da culinária local, já que não tinha conseguido ir no tour do Prosciutto  de Parma, o restaurante que eu tinha visto para ir estava lotado e com fila de espera, então por ali mesmo estavam acontecendo uma feira com diversos food trucks, com comida típicas e não típicas. Escolhemos um sanduíche de prosciutto de Parma com fritas e cerveja local.

Restaurante que peguei a dica: Osteria Servi.