Nova União de Brusque tem dois campeões no Mundial de Jiu-Jitsu

Atletas ganharam sete medalhas. Duas de ouro, duas de prata e três de bronze

Nova União de Brusque tem dois campeões no Mundial de Jiu-Jitsu

Atletas ganharam sete medalhas. Duas de ouro, duas de prata e três de bronze

A equipe de Jiu-jitsu Nova União/Brusque conquistou o seu melhor desempenho no Campeonato Mundial da categoria. A disputa foi realizada entre os dias 18 e 21 de julho, no Complexo Esportivo Ibirapuera, em São Paulo, onde os lutadores brusquenses conquistaram sete medalhas. Foram duas de ouro, duas de prata e três de bronze.
O professor da equipe, Alisson Zanon, afirma que o resultado superou as expectativas.
– A gente sabia que ia se dar bem, até pelo resultado dos outros eventos, mas foi acima do esperado – relata Zanon.
Aproximadamente, 2 mil atletas participaram do evento. A equipe brusquense foi com 11 competidores. Além de Zanon, participaram os professores Alessandro Veber e Gomes. Os alunos inscritos foram Guilherme Camargo, Franco Rodrigo da Luz, Carlos André Silva, Walter Teles, Helcio Demarch, Rodrigo Barni, Pedro Corrêa da Silva Neto e Leonardo Maestri.
Lutadores de Ouro
As duas medalhas de ouro da Nova União vieram com Camargo na categoria Faixa Branca Infanto-juvenil e Gomes. O instrutor ficou em primeiro na Faixa Preta Sênior Pena. Ele participou de três lutas. A primeira, segundo ele, mais difícil do que a outra que valeu o título.

A disputa do título foi marcada por adrenalina. 

– Olhei no placar, estava empatado. Dois pontos e uma vantagem para cada um. A decisão foi tomada pelos juizes de quem era o merecedor. Os três apontaram para mim – comemora ele.

>> Assista ao vídeo da luta que deu medalha de ouro à Valter Gomes.

Prata e Bronze

Os atletas Luz e Silva conquistaram a prata. O primeiro competiu na categoria Azul Sênior Leve. O outro na Branca Sênior Médio.
O bronze ficou com Veber na categoria Preta Máster Médio. Teles também conquistou o terceiro lugar na Marrom Galo, junto com Demarch, na Roxa Máster Meio-Pesado.
Bili não conseguiu chegar à final, mas aprovou seu desempenho. 
– Foi dentro do esperado. A minha categoria, que é faixa Preta Máster Médio, é uma das mais fortes do mundial. No meu primeiro confronto, enfrentei o bicampeão mundial. Foi uma luta muito disputada. Perdi por pontos – afirma o professor.
O atleta Silva Neto, categoria Azul Máster Médio, defendia o título mundial conquistado no ano passado. Ganhou as duas primeiras lutas, mas caiu nas quartas de final.
> Leia a matéria na íntegra na edição impressa do MDD desta terça-feira, 23 de julho.

Colabore com o município
Envie sua sugestão de pauta, informação ou denúncia para Redação colabore-municipio