Preço de gás natural aumenta quase 30% para veículos e indústrias

Reajuste é o maior dos últimos quatro semestres; dólar alto é considerado um dos vilões

Preço de gás natural aumenta quase 30% para veículos e indústrias

Reajuste é o maior dos últimos quatro semestres; dólar alto é considerado um dos vilões

A Agência Reguladora de Serviços Públicos de Santa Catarina (Aresc) autorizou, em 21 de junho, a aplicação de reajustes nas tarifas para os consumidores de gás natural em Santa Catarina. A decisão determina aumento de 27% (equivalente a R$ 0,32 por metro cúbico ao consumidor final) na tarifa do gás natural veicular (GNV) e de 26% para indústrias. O residencial chega a 11%, enquanto o comercial terá reajuste de 15%. O reajuste entrou em vigor neste domingo, 1º.

Leia também:
Criminoso usa fotos de jovens para oferecer serviços de prostituição
Quase 70 casais de Brusque aguardam crianças aptas à adoção

Apesar de ser a maior alta nos últimos cinco semestres, a tarifa praticada em Santa Catarina segue sendo a mais competitiva do Brasil, de acordo com a Companhia de Gás de Santa Catarina (SCGás).

A empresa afirma que o custo do gás importado da Bolívia têm aumentado, o que justifica os reajustes. “Conforme o contrato de concessão dos serviços públicos de Santa Catarina, este reajuste deve ser repassado às tarifas. Cabe à Aresc promover as autorizações”, explica a SCGás.

O câmbio do dólar é um dos principais influenciadores, além do preço do barril do petróleo, e ambos têm apresentado alta. “O contrato de suprimento com a Petrobras é indexado em dólar, logo o câmbio afeta, assim como uma cesta de óleos internacionais.”

A tarifa de gás natural é atualizada no mínimo semestralmente pelo regulador por meio da conta gráfica, ferramenta criada no último mês de 2016. O objetivo da conta gráfica é garantir que o custo do gás pago pela concessionária seja repassado integralmente à tarifa.

Com cinco reajustes desde julho de 2016, o mais recente é o maior já registrado no período com a conta gráfica.

Consumo crescente
Aproximadamente 47,7 milhões de metros cúbicos (m³) de GNV foram consumidos no período de janeiro a maio de 2018 (média de 316 mil m3/dia), atingindo o maior patamar de vendas da SCGás para o segmento veicular desde 2014. De acordo com dados de junho do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran), existem 95.362 veículos emplacados e adaptados para o uso do GNV em Santa Catarina. Em Brusque, são 2,3 mil.

A SCGás avalia a competitividade da tarifa aplicada aos postos de Santa Catarina e a política de preços da Petrobras — com os frequentes aumentos dos combustíveis líquidos — e a economia do estado como as causas para o aumento crescente.

Antes do reajuste mais recente, o m³ do GNV era entregue aos postos por R$ 1,1732 por m³. Com o reajuste o posto receberá o insumo a R$ 1,4926 por m³ a partir de 1º de julho. Logo, o aumento é R$ 0,32 no preço praticado aos postos. Mesmo com o reajuste, a coordenadoria automotiva da SCGás sinaliza uma vantagem competitiva de 50% do GNV na relação com gasolina e etanol. Antes do reajuste, a competitividade era de 58%.

Leia também:
Empresa de São Paulo que se instalaria em Brusque vai para Itajaí
Quase três anos depois, lei que normatiza fiação de postes será regulamentada

Indústrias são principal consumidor
As indústrias, que terão 26% de reajuste na tarifa, compõem o principal segmento de consumo do gás natural no estado. Por elas foi consumido, em maio de 2018, 81,31% do total de gás comercializado pela concessionária.

As indústrias cerâmica e metal mecânica são quem mais atuam com base no insumo. Em Brusque, 11 empresas utilizam o gás natural.