Eleições impulsionam venda de camisetas personalizadas em Brusque e região

Peças relacionadas a Bolsonaro venderam milhares de unidades

Eleições impulsionam venda de camisetas personalizadas em Brusque e região

Peças relacionadas a Bolsonaro venderam milhares de unidades

A imagem de eleitores com camisetas com o rosto de seu candidato pelas ruas foi uma das marcas destas eleições. Entre comerciantes, o interesse pela política se reverteu em um período de vendas inesperado. Além disso, os produtos produzidos em Brusque abasteceram lojas do Rio Grande do Sul, Paraná e Minas Gerais.

Veja também:
Por falta de interessados, cargos de médico e dentista estão vagos em Brusque

Obra de duplicação da rodovia Antônio Heil deve recomeçar em até 30 dias

Justiça mantém prisão preventiva de dono da Múltiplos

Entre os cabides do comércio popular de Brusque, as camisas em alusão ao candidato Jair Bolsonaro (PSL) tiveram a maior procura. Ele teve mais de 77% dos votos brusquenses no primeiro turno. Também há relatos de procura por produtos com as inscrições “Lula Livre” ou em alusão ao concorrente no pleito, Fernando Haddad (PT).

A demanda inesperada para a época do ano foi vista como uma oportunidade de negócio para Alanderson Franco. Sócio da Brusque Meias, ele estima ter vendido cerca de 20 mil peças com o rosto ou frases atribuídas a Bolsonaro, apenas durante o primeiro turno. O volume foi vendido nas duas lojas, mantidas nos bairros Santa Terezinha e Steffen, além da internet.

Na avaliação dele, a popularidade do candidato nas redes sociais foi decisiva para o sucesso de vendas. “Teve dia que vendi só camisetas do Bolsonaro. São cerca 100 por dia”.

Revenda e presente
Com os pedidos frequentes, Franco precisou buscar parceiros para evitar a falta do produto. O preço, em geral abaixo dos R$ 10, atraiu comerciantes de outras cidades como Blumenau, Gaspar, São José, Biguaçu e Indaial. Compradores gaúchos, paranaenses e mineiros também buscaram os produtos para revender ou presentear familiares.

Antes das vendas ele chegou a cogitar não vender produtos relacionados às eleições, para evitar qualquer atrito por opiniões contrárias. Foi a primeira vez que ele ofertou itens do tipo. “Alguns chegaram a dizer que eu não deveria vender, mas a procura era muito grande”.

Três pedidos semanais
O relato do comerciante é reforçado pela responsável pelo setor de compras da loja Aqui é 10, no Centro 2, Poliane da Silva. Para suprir a procura, foram necessários até três pedidos semanais de camisetas vinculadas ao presidenciável do PSL.

No caso da loja, a opção foi por atender os pedidos feitos desde antes do período eleitoral, ainda em maio. Desde lá, foram mais de 10 mil peças e os estoques estavam esgotados no início desta semana.

Veja também:
Grupo estuda manter Pelznickelplatz aberta o ano todo no futuro

Procurando imóveis? Encontre milhares de opções em Brusque e região

Fusca tomba após bater em ponto de ônibus e três ficam feridos, em Blumenau

De acordo com ela, a procura gerada só foi semelhante durante períodos de eventos esportivos, como a Copa do Mundo.

Todo o Brasil
Mesmo sem menção direta a qualquer candidato, a camisa verde a amarela com a inscrição “O Brasil que queremos, só depende de nós” se tornou outro produto de sucesso. Adotado como um uniforme dos funcionários da Havan, a camiseta foi anunciada no início de abril, em um vídeo publicado pelas redes sociais por Luciano Hang, dono da rede de lojas.

Desde agosto, foram vendidas mais de 50 mil unidades da peça nas 114 lojas físicas. O volume também contabiliza os produtos vendidos pelo site oficial da rede. Foi no mesmo mês que Hang anunciou apoio à campanha de Bolsonaro.