Grupo Tutti Buona Gente completa 10 anos de dança folclórica italiana

Iniciativa resgatou tradição e cultura em Guabiruba, com apresentações e reconhecimentos estaduais e internacionais

Grupo Tutti Buona Gente completa 10 anos de dança folclórica italiana

Iniciativa resgatou tradição e cultura em Guabiruba, com apresentações e reconhecimentos estaduais e internacionais

Apesar de ser conhecida pela tradição alemã, com a Maibaum, o Pelznickel e a Stadtplatzfest, Guabiruba também possui uma forte cultura trazida pela imigração italiana, e o Gruppo Folklorístico Tutti Buona Gente foi criado para representar esta característica do município. Mantido pela Associação Artístico-Cultural São Pedro (AACSP), o grupo comemora 10 anos de fundação em 2018. Em 28 de outubro, foi realizado um almoço de confraternização no Restaurante do Nido, em Botuverá.

O início
A AACSP, planejando uma ampliação de seus trabalhos, tentou a criação de um grupo folclórico italiano ainda em 2007, na gestão de Marcelo Carminatti. Através de um projeto aprovado pela Lei de Incentivo à Cultura, foi possível angariar fundos para a confecção dos trajes típicos, em um orçamento de cerca de R$ 18 mil.

“O grupo foi criado porque um dos meus objetivos na gestão da AACSP era manter o que havia, adicionando um grupo italiano. Na Guabiruba tudo gira em torno dos alemães, mas temos uma gama enorme de famílias italianas que também merecem seu destaque através da cultura, que existe no município mas não costumava ser tão valorizada”, explica Carminatti.

Veja também:
Luciano Hang é mencionado por Lula em interrogatório na Justiça Federal

Família de Brusque cria campanha para arrecadar recursos para cirurgia de bebê de cinco meses

União de professores e alunos de Brusque contribui com integração de quatro haitianos 

À época, nenhum integrante conhecia danças típicas italianas. Cada interessado em participar era recebido e era ensinado passo a passo as primeiras coreografias do repertório. O ensino era feito de forma gradual, até que houvesse o domínio. Cada membro do grupo precisa aprender todas as coreografias.

Pomerode está no mapa do grupo | Foto: AACSP/Divulgação

Trajes
Foi utilizada uma combinação da região trentina de Castello Tesino, com o auxílio do Circolo Trentino di Rodeio (SC) sobre as definições. Foi nesta consultoria que foram fornecidos detalhes como medidas, tecidos e formas para a confecção dos trajes, que levou quase nove meses e envolveu o trabalho de diversas pessoas. O grupo trentino de Brusque foi fundamental para estabelecer o contato.

“A dona Cecília Carminatti, costureira da rua São Pedro, fez tudo que competia ao traje feminino e a camisa dos homens. As saias precisavam ser plissadas [ter dobras pregueadas permanentes] e este trabalho foi feito em Blumenau, pela dona Áurea. Depois ela trazia para a dona Cecília confeccionar”, lembra o idealizador do Tutti Buona Gente.

Por meio de um convênio, o Tutti Buona Gente também teve acesso aos passos de quatro coreografias de danças típicas por ano. Após todos os detalhes acertados, começou a seleção das pessoas para que o grupo fosse finalmente formado.

Os imigrantes italianos se instalaram inicialmente no interior de Guabiruba, principalmente no que hoje é o bairro Lageado Alto. O município sequer era emancipado ainda. Hoje, há descendentes de italianos em toda a cidade, a maior parte deles vindo da região de Trento, no norte da Itália, em fronteiras com Suíça e Áustria. Por isso os trajes do Tutti Buona Gente são inspirados nas vestimentas típicas de Trento.

Fugindo dos trajes típicos de Trento, os guabirubenses também participaram do Carnaval de Nova Veneza | AACSP/Divulgação

Apresentações e conquistas
Com a roupa finalmente pronta, o Grupo Folklorístico Tutti Buona Gente ministrou um workshop em 28 de setembro de 2008, iniciando suas atividades com oito horas de dança folclórica. O lançamento oficial foi realizado em um evento para mais de 550 convidados na Sociedade Esportiva e Recreativa Guabirubense em 13 de março de 2009. “Para mim, é o dia oficial, o dia do lançamento”, opina Carminatti.

No mesmo ano da fundação, o grupo alcançou o segundo lugar no primeiro festival que participou: o Festival Internacional de Danças Folclóricas, realizado em Criciúma. O Tutti Buona Gente também chegou a vencer um festival na Fenarreco, em Brusque, após um segundo lugar no ano anterior.

“Em Criciúma, havia danças de diversas nacionalidades. Foi uma experiência muito rica para o grupo. Tivemos a oportunidade de avaliar outros grupos e o nosso trabalho. Conhecemos outros trajes, como ucranianos e poloneses. Somos sempre muito elogiados pelo traje e pela maneira que apresentamos a dança”, destaca.

Em 10 anos, o Gruppo Tutti Buona Gente realiza apresentações em todo o território catarinense, participando de eventos culturais, campeonatos de danças e festivais. Até mesmo deixou os trajes trentinos de lado por um momento para integrar o desfile do Carnaval de Nova Veneza, no sul catarinense, que replica a tradicional festa da cidade italiana de Veneza.

A Fenarreco conta com a presença dos artistas | Foto: AACSP/Divulgação

Mas a viagem mais marcante do grupo foi para visitar a região que representa: Trento, na Itália. Em 2013, os artistas se apresentaram em uma turnê na Europa. Primeiro participaram das festividades de aniversário de Karlsdorf-Neuthard, na Alemanha, e então foram à Piazza Duomo, a principal praça de Trento, capital de Trentino-Alto Ádige.

Veja também:
Brusque recebe Hercílio Luz em casa pelo primeiro jogo da final da Copa Santa Catarina 

Procurando imóveis? Encontre milhares de opções em Brusque e região

Idosa de 71 anos perde casa em incêndio durante a madrugada, em Blumenau

Após a apresentação na Piazza Duomo, a equipe recebeu uma carta de Tiziana Rodrizio Lorenzo, coordenadora do Gruppo Folk da comuna de Castello Tesino. A mensagem dizia: “Só a grande paixão pela dança e pela música, união e orgulho pelas próprias raízes podem levar a este resultado”, marcando o trabalho desenvolvido pelos guabirubenses.

Ao contrário do que se pode pensar pelo alto nível de figurino e técnica de dança desenvolvida pelo grupo, qualquer pessoa pode participar. Bastam a vontade de aprender, o fôlego para assimilar as coreografias, a paixão pela cultura italiana e a responsabilidade com os compromissos do Tutti Buona Gente.

“Não precisa ter o domínio exclusivo da dança italiana, tem que gostar muito da nossa cultura italiana, ter a responsabilidade de participar dos ensaios e ir nas apresentações. As danças são bem puxadas, temos ensaios toda semana”, destaca Celina Vanderlinde, atual coordenadora. Hoje, o Tutti Buona Gente é integrado por 24 adultos e cinco crianças.

Integrantes aprendem os passos das coreografias ao participar | Foto: AACSP/Divulgação