O vencedor do concurso A Cuca Nota 10 do Brasil, competição já consolidada no Festival Nacional da Cuca, é de Joinville. Darlin Maik Carbonera, de 22 anos, foi campeão com a receita de Cuca de Cereja Flambada com Ganache de Chocolate Branco e Farofa de Castanha.

Já o segundo lugar ficou com a brusquense Sandra Ribeiro, que fez a Cuca Romeu e Julieta. A terceira posição também foi para Joinville com a receita de Cuca de Maracujá, de Vincent Ramon.

O campeão do concurso já havia participado das edições de 2015 e 2016 e conquistado o segundo lugar. Neste ano, o joinvilense foi além e levou para casa R$ 2 mil, além de um forno guilhotina a gás. O segundo lugar recebeu R$ 1,5 mil e o terceiro, R$ 1 mil.

Emocionado, Carbonera, que é graduado em Gastronomia e pós-graduado na área de Panificação e Confeitaria, conta que faltava esse título em sua carreira. O jovem também trabalha na Ah Cucaria, empresa especializada em cucas em Joinville.

“Estou muito feliz e emocionado. Participei nos outros anos e fiquei com o segundo lugar, então faltava esse algo a mais, que hoje, graças a Deus consegui. Agradeço a minha mãe, a minha namorada e minha chefe que estão comigo aqui”, diz.

O vencedor afirma que a receita foi feita pela primeira vez no fim do ano passado, a pedido de sua namorada, porque havia sobrado cereja. “E agora, na metade do ano, fiz de novo já pensando no concurso”, diz Carbonera, que precisou importar as cerejas dos Estados Unidos pois não encontrou na sua cidade.

“Fiquei um mês procurando e nada, então precisei importar. Fiz e considero que ficou até melhor do que a outra vez”.

O jovem cozinha desde os 10 anos, quando na época tinha um problema no coração e precisava ficar em casa assistindo televisão em vez de brincar na rua com os amigos. Então o programa Mais Você, da apresentadora Ana Maria Braga, começou a inspirá-lo. Aos 17 anos, ele começou a trabalhar em padaria, e hoje, cada vez mais, só pensa em crescer na sua profissão.

A cuca vencedora basicamente é constituída de cereja flambada com conhaque, ganache de chocolate branco com raspa de laranja e tem cobertura de farofa e castanha.

Critérios
Aparência, sabor, criatividade, viabilidade comercial, riqueza dos produtos, consistência da massa e do recheio foram os itens avaliados pelos nove jurados do concurso. Profissionais gabaritados das mais diversas áreas da gastronomia analisaram as cucas dos 24 candidatos inscritos durante cinco etapas: três no sábado e duas no domingo.

Uma das juradas, a chefe de cozinha Sulaine Karine Meyer, professora de Gastronomia e Panificação do Senac de Blumenau, diz que a massa é um dos critérios mais observados no julgamento, além da sua estruturação e recheio.

Ela afirma que chamou a atenção a preocupação dos candidatos em trazer frutas diferentes, como um deles que apresentou a receita com cupuaçu – originária da Amazônia – e o próprio vencedor que importou cerejas dos Estados Unidos. “Todos foram muitos criativos e evoluíram bastante durante o concurso. Estão todos de parabéns”, diz a jurada.

Sulaine destaca que a cuca vencedora foi “perfeita” e manteve-se no mesmo padrão nos dois dias. Além disso, ela parabenizou a integração de todos os candidatos, que desempenharam suas funções com êxito mesmo estando sob pressão.

Festa para Brusque
O Festival Nacional da Cuca foi um sucesso de público durante todo o fim de semana e a competição A Cuca Nota 10 do Brasil é uma das grandes responsáveis por isso. Estima-se que passaram pelo pavilhão Maria Celina Vidotto Imhof cerca de 15 mil pessoas, com cerca de 4 mil cucas e 2 mil cafés coloniais vendidos.

Para o diretor de Turismo de Brusque, Norbeto Maestri, o Kito, que participa do evento desde a 1ª edição, é emocionante encerrar o festival premiando os participantes do concurso. “É uma alegria muito grande para nós brusquenses por tudo o que aconteceu. O município ganhou mais uma vez com este festival e já saímos empolgados para preparar a 5ª edição”.

Marcela Schaefer Fedeli, vice-presidente do Núcleo de Panificadoras e Confeitarias da Associação Empresarial de Brusque (Acibr), também destaca o sucesso do evento. Ela analisa que ter um vencedor de Joinville somente demonstra o quanto o festival é regionalizado e se expande cada vez mais. “A cada ano a procura de interessados pelo concurso e pelo festival em geral só cresce”.

Deixe uma resposta