O Campeonato Catarinense de 2018 tem nada menos do que oito clubes campeões. O Figueirense tem 17 títulos, o Avaí 16, o Joinville 12, o Criciúma dez, a Chapecoense seis, o Hercílio Luz dois, e Brusque e Inter de Lages têm um título cada. O único campeão fora da elite e que possui departamento de futebol atuando nas divisões estaduais é o Carlos Renaux, que retorna às atividades em 2018. Do campeonato deste ano, apenas o Tubarão e o Concórdia não tiveram esta glória.

É difícil discordar de que a Chapecoense seja a grande favorita ao título. O clube chega à Libertadores pelo segundo ano consecutivo, é o único time catarinense na Série A do Campeonato Brasileiro e é a atual bicampeã catarinense. Além disso, seus principais rivais passaram recentemente por problemas dentro e fora de campo, e precisam colocar a casa em ordem. O Avaí foi rebaixado. O Figueirense flertou com a Série C e sofreu com uma grave crise administrativa. O Criciúma viveu entre um sonho distante de acesso e o limbo do meio de tabela da Série B. O Joinville não se classificou para as quartas-de-final da Série C e vive crise política.

Entre as equipes menores, o Tubarão vem bem. O time foi campeão da Copa Santa Catarina sobre o Brusque, e anseia por disputar Copa do Brasil e Série D. O Brusque também tem calendário nacional, além de uma folha salarial que é a maior de sua história e algumas caras conhecidas por grandes clubes do Brasil. É o caso de Antônio Carlos, Dakson e França. O Quadricolor do Vale segue em ascensão, apesar do vice da Copa Santa Catarina, e a pressão aumenta junto com o investimento e o quarto lugar conquistado em 2017. O Inter de Lages, por sua vez, sonha em voltar a ser aquela sensação do campeonato, como nos tempos de Marcelinho Paraíba em 2015.

Os novos integrantes do campeonato não são exatamente novos. Em 2018, o Hercílio Luz comemora seu centenário, o aniversário de 60 anos de seu bicampeonato catarinense e o retorno à elite estadual após longos 23 anos. O Concórdia, que foi campeão da Série B do Campeonato Catarinense sobre o Hercílio Luz, volta à primeira divisão depois de sete anos. É o caçula, fundado em 2005, mas que vem com moral após o título da segundona e não quer nem pensar em ser presa fácil.

A competição começa nesta quarta-feira, 17. Dez times, oito campeões, oito cidades, 92 jogos. E o Brusque sonhando alto.

 

 

 

 

Deixe uma resposta