Foi trabalhando com o pai na fabricação e instalação de calhas, que Éder Habitzreuter percebeu que havia mercado em um ramo semelhante na região: o de fabricação de telhas.

Em 2011, ele teve a ideia de entrar neste mercado, mas como o custo da máquina era muito elevado, foi aconselhado pelo pai, Valdemiro Habitzreuter, a esperar um pouco mais.

Leia também:

Mesmo sabendo dos custos, o jovem não desistiu da ideia. Conversou com o irmão, Cleber, que aprovou a iniciativa e, então, eles começaram a planejar a mudança de foco da empresa.

“Fomos trabalhando neste meio tempo e, em 2013, voltei a conversar com o pai sobre o assunto. Ele aceitou e, no fim de 2013, fomos para o Paraná visitar a empresa que fabricava a máquina”, conta.

Em janeiro de 2014, a família Habitzreuter fabricou o primeiro metro de telha e, assim, teve início a Telhas Guabiruba, a primeira fabricante de telhas de aluzinco do Vale do Itajaí.

Eder, Valdemiro e Cleber Habitzreuter são os sócios da Telhas Guabiruba | Foto: Bárbara Sales

Eder destaca que quando ia até as empresas instalar as calhas junto com o pai, viu que havia muita saída das telhas de aluzinco e todas vinham de longe, porque não havia fábrica na região. “Essa mudança, do eternit para a telha de aluzinco, fez a gente abrir os olhos para este mercado”, diz.

Custando aproximadamente R$ 300 mil, a máquina para a fabricação de telhas foi comprada por meio de financiamento e com muito suor. Hoje, quatro anos depois de iniciar no ramo, a empresa já conta com três máquinas para fabricação de diferentes tipos de telha.

Eder ressalta que o diferencial da Telhas Guabiruba é a pronta-entrega. As máquinas fabricam a telha sob medida, do tamanho que o cliente necessita, evitando perdas nas obras. Assim, dependendo do tipo, é possível entregar o material solicitado para o cliente no outro dia.

Leia também:

Por não ter uma linha de produção como as grandes fábricas, ou seja, por fabricar somente conforme a demanda, não há uma média de quantas telhas de aluzinco são fabricadas na empresa. “Depende muito do mercado. Tem meses que fabricamos mais, outros menos. Nenhum mês é igual ao outro”, afirma.

O foco da Telhas Guabiruba são empresas, mas também é possível utilizar as telhas em residências. “Hoje são feitas muitas casas com telhado embutido, por isso, a gente fabrica e pinta com a cor que o cliente quiser”.

Inovação e crescimento
Eder conta que a empresa começou fabricando telhas de aluzinco no modelo trapezio 40. Há dois anos, se investiu na fabricação de telhas termoacústicas e hoje também é fabricada a telha termoacústica bandeja.

Em 2018, a empresa começou a fabricar telhas no modelo trapezio 25 – boa para fechamento de obras e tapumes, e o planejamento é daqui a três meses iniciar a produção da telha ondulada, ideal para galpões em arcos.

“Vamos adquirir novas máquinas, o projeto sempre é ampliar, ir atrás de inovação, sempre que tiver inovação no mercado, vamos tentar trazer pra cá”, ressalta.

Além da fabricação das telhas, a empresa guabirubense faz também a venda da viga para montagem de estrutura metálica e continua na produção de calhas.

“O cliente vem, compra a telha, o ferro e a calha. Já sai com toda a estrutura pronta, só precisa instalar”.

Por ter sido a primeira na fabricação de telhas de aluzinco do Vale, a empresa tem clientes de toda a região, desde todo o litoral, até Joinville, Blumenau e Timbó.

A Telhas Guabiruba se manteve totalmente familiar até pouco tempo atrás. Eder, Cleber e Valdemiro trabalhavam sozinhos, mas neste ano, foi preciso contratar um funcionário para auxiliá-los. “Continuamos tocando a empresa, cada um tem a sua função e acho que esse é um dos segredos. Nos mantemos unidos na empresa e fora dela”, destaca.

Hoje a empresa está em um galpão alugado, no bairro Imigrantes, mas já há planos para que, no futuro, se compre um terreno e seja construída a tão sonhada sede própria. “Estamos trabalhando para isso”, diz Eder.

“Trabalhando unidos, sempre na honestidade, vamos pra frente”, completa Valdemiro.

Deixe uma resposta