A estruturação do Sessenta é uma realização de iniciativa quase que individual de Paulo Pedro Sorer. Morador do bairro, ele e a família estão envolvidos na história do clube desde o início, há cerca de 30 anos – e essa paixão pelo esporte vem desde jovem.

“Desde criança, sempre gostei de futebol. Mesmo já moço, eu brincava no meio das pedras com meu irmão, que vinha do Cerâmica Reis. A gente brincava com uma trave feita à mão de cada lado. Futebol era a diversão que tínhamos”, conta.

Paixão de Sorer pelo esporte vem desde jovem | Foto: Bruno da Silva

Ele e o irmão chegaram a jogar no bairro vizinho, Águas Negras, antes de decidir pela fundação do time. Na primeira década de história, aproximadamente, o clube ainda não tinha uma sede e atuava em campos emprestados por toda a cidade. Neste meio-tempo, o Sessenta chegou até uma decisão do campeonato estadual, onde foi derrotado pelo Flamenguinho – melhor campanha do time na história.

Campo é motivo de orgulho

A iniciativa de construção do campo foi de Paulo. A realização veio, além da paixão pelo esporte, de uma vontade de ter uma casa para chamar de sua.

“A prefeitura ajudou, mas bem pouco. Coloquei a cara e fiz, de tanto que eu gostava de jogar futebol. Gastamos o que não tínhamos mas eu queria ter o próprio campo”.

Além do time, que foi semifinalista no último campeonato amador realizado em 2019, a estrutura do Sessenta continua de pé até hoje. O campo, segundo Paulo, é o maior em extensão do município. O gramado tem iluminação em metade da extensão para jogos de suíço à noite, com cinco postes, além de banco de reservas, vestiários e chuveiros.

Paixão de Sorer pelo esporte vem desde jovem | Foto: Bruno da Silva

Os troféus, medalhas e fotos que representam a história do Sessenta estão expostos em uma sede, onde ficam também uma cancha de bocha, bar e mesas de sinuca. A administração desta parte Paulo cedeu a um casal de amigos, mas ele continua proprietário de toda a estrutura. “Eu administro o esporte ainda, limpeza do campo é com a minha família”, reforça.

O campo do Sessenta foi palco de muitas memórias marcantes, inclusive de uma partida com jogadores profissionais do Brusque, que atuaram em um amistoso organizado pelo ex-deputado Dagomar Carneiro, que foi finalizado com um churrasco.

Hoje, dois filhos de Paulo, sobrinhos e a família de modo geral, continuam envolvidos com o clube. Inicialmente um sonho, a realização vai sendo passada, ainda em vida, para as próximas gerações.


Você está lendo: – Fundador, presidente e dono do estádio: Paulo Sorer é a cara do Sessenta


Leia também: 

– Futebol Bergamasco: o almanaque do amador de Botuverá

– Após fusão, Águas Negras emerge com a força da comunidade

– Areia Baixa se consolida por meio da iniciativa de “filho” do bairro

– Fundado na década de 1960, Figueira venceu seis dos últimos dez campeonatos em Botuverá

– Bicampeão municipal, Flamenguinho deixa as lembranças de um tempo bom

– Com remanescentes desde a fundação, Gabiroba se estabelece como força do amador

– Famoso por torneio realizado há mais de três décadas, Grêmio mostra força da tradição

– Los Bandoleiros tem sucesso meteórico e acumula conquistas

– Pioneiro em Botuverá, Ourífico ostenta história de mais de 80 anos

– Fundado em 1940, Ourinho se orgulha de trabalho social e espírito de comunidade

– Campeão municipal quatro vezes, União deixa futebol no passado

– Vila Nova chegou a ter dezenas de sócios, mas sofre com desmobilização da comunidade

– Mais condições, menos compromisso: times de Botuverá sofrem com perda de interesse dos jovens

– GALERIA – Conheça os campos dos times amadores em Botuverá

– Atrás do sonho de serem atletas profissionais, jovens de Botuverá se aventuram pelo Brasil

– Apaixonados pelo esporte, irmãos Leoni levam o futebol nas veias

– Destaque do futebol amador, Nando foi para Botuverá quando criança e não saiu mais

– Mário Botuverá levou o nome da cidade pelo Brasil e voltou para treinar jovens

– Time de futebol feminino de Botuverá disputou campeonatos fora da cidade

– “Gosto de viver perigosamente”: árbitro conta histórias sobre organização de torneios em Botuverá

Deixe uma resposta