Apesar da força atual do futebol amador de Botuverá, muitos clubes da cidade relatam a dificuldade para engajar os jovens a assumirem o compromisso com os times nos dias de hoje. Várias equipes têm dificuldades para montar elencos para a disputa de campeonatos, enquanto outras já deixaram de existir pela falta de mobilização nas comunidades.

Por causa da dinâmica econômica, Botuverá teve uma população maior na metade do século passado do que possui atualmente, já que atividades econômicas fortes na cidade, como o cal e o fumo, foram perdendo força ao longo das décadas.

Além disso, com a evolução da tecnologia em escala mundial, os jovens passaram a ter mais opções de lazer, principalmente com celulares e computadores, que permitem conectar botuveraenses com pessoas de todos os lugares.

Neste sentido, o presidente do Águas Negras, Bernardino Vitorino, considera muito mais fácil para os jogadores irem até os jogos atualmente. Por outro lado, é muito mais difícil convencê-los a assumirem a responsabilidade.

“Hoje todo mundo tem carro, moto, antigamente era muito mais difícil. Mas também era muito mais simples para fazer time, as pessoas não tinham muito o que fazer. Agora é um pouco mais complicado, tem outras diversões. Chegamos a ter duas divisões em Botuverá, hoje isso decaiu”.

Ex-diretor do Ourífico, Ivo Barni destaca que a equipe, durante as décadas de 1960 e 1970, representava mais do que apenas um time, em uma época que o Ribeirão do Ouro nem pertencia ao município de Botuverá.

“O Ourífico não representava só um time de futebol, mas a integração das comunidades, principalmente de Brusque a Vidal Ramos. Tinha torneio praticamente toda semana. Íamos para torneios de caminhão no sábado à tarde, e o jogo era domingo. À noite tinha baile e a gente voltava só na segunda-feira de manhã. Depois do jogo tinha mais bebedeira, a gente dormia na casa das famílias”, conta.

Time do Ourífico costumava ir de caminhão para torneios | Foto: Arquivo pessoal

Ex-presidente do Vila Nova do bairro Vargem Grande, Ilton Avi afirma que a mobilização no clube foi diminuindo ao longo dos anos gradativamente. Desde 2011, a equipe não disputa mais torneios por conta própria.

“Quanto mais para trás a gente pensar, mais mobilização da comunidade. Antes não tinha vaga para todo mundo ir nos caminhões, picapes, para jogar, ver ou se divertir. Hoje em dia, não temos nem pessoas para formar um time para jogar. Uma das coisas que está estragando o nosso amador é a falta de compromisso de participar”.

Ligação com os bairros

Ivo recorda que o Ourífico foi fundado em uma época em que a localidade era mais populosa do que atualmente, mas não tinha energia elétrica. O rádio “só tinha na venda”. O futebol nas tardes, então, era uma das poucas diversões no Ribeirão do Ouro.

“A atração da época eram as canchas de bocha à noite e o futebol à tarde. Os torneios eram as grandes atrações. Maior que o Ourífico, para nós que somos do Ribeirão do Ouro, só tinha o Barcelona. Aquilo marcou as pessoas, era ponto de confraternização”.

Tesoureiro do Grêmio, Rogério Comandolli lembra que as confusões nos jogos eram bem mais comuns no passado, mas que a ligação das pessoas com os times dos bairros já não é a mesma.

“Hoje, a diversão não é só o futebol, os jovens buscam outras coisas. A geração mais antiga não tinha tantas opções, por isso existia essa gana de jogar e a rivalidade. Mudou bastante. A ligação com os bairros era enorme, era muito competitivo. Não tinha uma convivência mais ampla, então tinha mais brigas. Era quase uma tradição jogar futebol, era um dos únicos lazeres coletivos da época”.


Você está lendo: – Mais condições, menos compromisso: times de Botuverá sofrem com perda de interesse dos jovens


Leia também: 

– Futebol Bergamasco: o almanaque do amador de Botuverá

– Após fusão, Águas Negras emerge com a força da comunidade

– Areia Baixa se consolida por meio da iniciativa de “filho” do bairro

– Fundado na década de 1960, Figueira venceu seis dos últimos dez campeonatos em Botuverá

– Bicampeão municipal, Flamenguinho deixa as lembranças de um tempo bom

– Com remanescentes desde a fundação, Gabiroba se estabelece como força do amador

– Famoso por torneio realizado há mais de três décadas, Grêmio mostra força da tradição

– Los Bandoleiros tem sucesso meteórico e acumula conquistas

– Pioneiro em Botuverá, Ourífico ostenta história de mais de 80 anos

– Fundado em 1940, Ourinho se orgulha de trabalho social e espírito de comunidade

– Fundador, presidente e dono do estádio: Paulo Sorer é a cara do Sessenta

– Campeão municipal quatro vezes, União deixa futebol no passado

– Vila Nova chegou a ter dezenas de sócios, mas sofre com desmobilização da comunidade

– GALERIA – Conheça os campos dos times amadores em Botuverá

– Atrás do sonho de serem atletas profissionais, jovens de Botuverá se aventuram pelo Brasil

– Apaixonados pelo esporte, irmãos Leoni levam o futebol nas veias

– Destaque do futebol amador, Nando foi para Botuverá quando criança e não saiu mais

– Mário Botuverá levou o nome da cidade pelo Brasil e voltou para treinar jovens

– Time de futebol feminino de Botuverá disputou campeonatos fora da cidade

– “Gosto de viver perigosamente”: árbitro conta histórias sobre organização de torneios em Botuverá

Deixe uma resposta