O local é conhecido de muitos brusquenses. Aconchegante, bonita e convidativa para uma boa xícara de café e um pedaço de bolo, a Sassipan Panificadora e Confeitaria, há 31 anos em atividade, consolidou-se no ramo e agora a família administradora vislumbra o futuro com o próximo passo: o e-commerce.

Ainda que seja uma empresa familiar, com três gerações dos Sassi trabalhando em diferentes áreas, a Sassipan adotou o profissionalismo na gestão e hoje colhe os frutos. Um dos últimos projetos postos em prática é o site para compras pela internet, que está pronto e deve ser lançado em breve.

Marlon Sávio Sassi, 52 anos, é o administrador da Sassipan atualmente. Mas ele faz questão de ressaltar que a empresa é gerida em conjunto com os filhos, a esposa e os pais. A ideia do e-commerce surgiu para atingir um público mais jovem e ligado ao meio digital.

Quem quiser um lanche, bolo ou sanduíche poderá acessar o site e comprar. A equipe da Sassipan receberá o aviso e irá autorizar a transação. Depois, é só esperar pela entrega, cujo horário será informado previamente.

Segundo Marlon, o objetivo é atrair trabalhadores, gente que não pode ir à padaria para comer, mas quer ter o sabor na hora do meio-dia, por exemplo. Bruno Caetano Sassi, 23, filho de Marlon e estudante do nono semestre de Engenharia de Produção do Centro Universitário de Brusque (Unifebe), diz que o sistema é inovador.

“Tivemos que fazer um site novo, porque o pessoal está acostumado com o e-commerce de roupas, por exemplo, que a pessoa compra sem ter uma data de entrega”, diz Bruno, que recém chegou à Sassipan para colocar em prática o que aprende na faculdade.

A busca por esse conhecimento é o principal ingrediente para a longevidade da Sassipan.

Desde quando Quido Paulo Sassi, 83, fundou a padaria, em 1986, a família se notabilizou na gestão.

Quido ainda hoje atua na área de finanças da empresa, mas quem está à frente no dia a dia é Marlon, ao lado dos filhos Bruno e Sara Caetano Sassi e da esposa Joseane Caetano Sassi. A Mulher de Quido e mãe dele, Rita Maria Zucco Sassi, 81, também participa.

O e-commerce é mais uma vertente da Sassipan. Atualmente, a empresa tem cerca de 50 funcionários. Os produtos de padaria e confeitaria são todos feitos no centro de produção que fica anexo à área dos clientes.

Pães, salgadinhos, bolos e cucas vão para as mesas dos consumidores locais, mas também para outros estabelecimentos comerciais. A Sassipan vende para diversas empresas do litoral catarinense.


Gestão familiar, sim, mas profissional

Anos depois de ter sido fundada apenas como uma padaria no Jardim Maluche, já na década de 1990, a Sassipan passou a ser gerida mais de perto. Até aquele ponto, era um negócio local, familiar, com o objetivo de prover rendimentos a Seu Quido.

Durante os anos 90, Marlon e Joseane passaram a se envolver no negócio. Foi nessa época que a panificadora e confeitaria passou por um dos momentos mais complicados da sua história. Marlon conta que, à época, boa parte da clientela era formada por confecções, onde eram entregues lanches e pães para os funcionários.

Mas na década de 1990 o país passou por maus bocados e Brusque viu o setor do vestuário se desmontar. Confecções fecharam aos montes, e a Sassipan ficou sem clientes. Era preciso inovar. Marlon sabia disso e foi visitar as maiores feiras de panificação do mundo, em Munique, na Alemanha, e em Paris, na França.

“Fomos buscar modelos e encontramos algumas coisas com as quais nos identificamos, com produtos de confeitaria, pães elaborados. Começamos a ver a sala de café e o negócio de modo diferente. Assim, fomos nos descobrindo e nos apaixonando”, diz Marlon.

A gestão profissional começou na década de 1990 e perdura até hoje. Todos são da família, mas cada um tem uma tarefa. Marlon cuida de novas perspectivas e compras; Sara, dos eventos; Bruno, do planejamento da produção; Joseane, da produção; Quido, das finanças; e Rita, da confeitaria.

“Somos um grupo em que todo mundo se especializa muito no que faz. Cada um tem tarefas bem claras, tem que se especializar. É preciso procurar conhecimento e o que há de mais moderno”, afirma Marlon.

No dia a dia, o parentesco ajuda, mas não predomina. São feitas reuniões periódicas, com cobranças e revisões de planejamento. A empresa já tem metas para o curto, médio e longo prazo traçadas.
Com a experiência de mais de 20 anos, Marlon avalia que a especialização e setorização da gestão é a peça-chave para que os negócios caminhem no trilho certo.

“Antigamente, colocava-se um negócio e ele se mantinha. Hoje, não é assim, então temos que estar muito bem ligados no que acontece no nosso setor, para dar os passos corretos”, afirma Marlon.


Negócio próprio foi um sonho realizado

Seu Quido encarna o espírito brusquense. Para entender o nascimento da Sassipan, é preciso conhecer a história do simpático senhor. Ele trabalhou, primeiramente, em uma loja que funcionava no atual Edifício Centenário, no Centro, que pertencia a Ovídio Diegoli. Nesse tempo, ele jogava futebol na cidade, e chegou a atuar tanto pelo Carlos Renaux quanto pelo Paysandú.

Depois, passou para a Companhia Industrial Schlösser. Em 1954, começou a trabalhar no Archer. Na época, era um lojão que vendia de tudo, até mesmo cereais e produtos agrícolas, já que Brusque era rural naquele tempo.

Extremamente organizado, ele se destacou e prosperou na empresa. Quido trabalhou ainda no atacado que o Archer possuía e depois foi para o supermercado, novidade à época.

Quido foi gerente da empresa por 11 anos e se aposentou em 1986. “Fui gerente na loja 3 por 11 anos, e lá tinha uma padaria bem moderna, com esteiras. Aquilo me deixou ligado, porque sempre pensei em me aposentar e montar um negócio para mim, não ficar em casa sem fazer nada”, conta.

A Sassipan nasceu em junho de 1986. Nessa época, era apenas uma padaria, com foco nos pães. Foi em 1991 que Marlon veio para Brusque, após se formar em Engenharia Mecânica em Joinville, no Norte do estado.

Seu Quido fala com orgulho da família e do fato de ter gerações envolvidas nos negócios. Além da Sassipan, os Sassi possuem outras empresas, mas a padaria foi o começo de tudo, é a menina dos olhos do patriarca, que volta e meia é visto no estabelecimento, sendo cumprimentado pelos clientes.

“Antigamente, eu tinha a ideia de abrir uma padaria e só. Hoje temos uma padaria, confeitaria, empório, tem tudo. São ideias deles [filho e netos]. A minha ideia sempre foi ter a padaria para me manter”, comenta Seu Quido.

Conteúdo exclusivo para assinantes

Quero assinar com preço especial
[Acesse aqui]

Sou assinante

Sou assinante do impresso,
mas não tenho login
[Solicite sem custo adicional]

Tire suas dúvidas, em horário
comercial, pelo (47) 3351-1980